Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,09 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.770,60
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    56.123,01
    -3,53 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.273,66
    -25,30 (-1,95%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.898,75
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6755
    -0,0106 (-0,16%)
     

Empresa russa cria pele hiper-realista (e um tanto assustadora) para robôs

Redação
·1 minuto de leitura

Parece coisa de filme. Lembra do “Exterminador do Futuro”? É a ficção virando realidade, pelo menos lá na Rússia. Peles hiper-realistas já começaram a ser produzidas em um laboratório russo para dar mais “vida” a robôs humanoides. Os pesquisadores da empresa Promobot usam polímeros especiais para esculpir o revestimento de uma nova geração de androides.

Veja no vídeo abaixo como os rostos são esculpidos:


É como se eles usassem uma espécie de borracha maleável que veste as partes metálicas dos robôs. E a qualidade é perturbadora.

(Imagem: Divulgação/Promobot)
(Imagem: Divulgação/Promobot)

Mais do que peles para seus androides do futuro, a Promobot também desenvolve o hardware e o software, ou seja, o corpo e a “alma” dos robôs. A empresa criada em 2015 é hoje uma das maiores fabricantes de robôs da Rússia.

(Imagem: Divulgação/Promobot)
(Imagem: Divulgação/Promobot)

Nesta façanha de dar uma aparência humanizada às máquinas, a Promobot não está sozinha. O mundo já se surpreendeu em 2016 quando a Sophia surgiu com sua fisionomia assustadoramente orgânica.

A Hanson Robotics, criadora da Sophia, promete mais quatro bots humanoides até o final do ano. A ideia é aproveitar o isolamento social e o aumento na demanda por automação para manter as pessoas em casa e em segurança.

(Imagem: Divulgação/Promobot)
(Imagem: Divulgação/Promobot)

Enquanto os androides ainda estiverem nos laboratórios o risco de confundi-los com seres humanos é mínimo. Mas e quando eles começarem a circular por aí com peles, olhos e cabelos super-realistas? Que John Connor nos ajude!




Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: