Mercado abrirá em 7 h 2 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,09
    +2,94 (+4,31%)
     
  • OURO

    1.794,80
    +6,70 (+0,37%)
     
  • BTC-USD

    57.324,42
    +3.286,52 (+6,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.432,91
    -22,50 (-1,55%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    23.956,43
    -124,09 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    28.468,88
    -282,74 (-0,98%)
     
  • NASDAQ

    16.228,25
    +177,25 (+1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2966
    -0,0519 (-0,82%)
     

Empresa que pediu teste de HIV deverá pagar multa de R$10 mil à garçom

·2 min de leitura
  • Sentença foi decidida pelo Tribunal Superior do Trabalho

  • Ex-funcionário alegou que foi exigido o exame em seu momento de contratação, em 2013

  • Portaria 1.246/2010 do Ministério do Trabalho proíbe a prática

A empresa de cruzeiros Pullmantur foi condenada, pelo Tribunal Superior do Trabalho, a pagar uma indenização no valor de R$ 10 mil para um assistente de garçom que trabalhou na empresa de julho de 2013 a maio de 2015.

O ex-funcionário, para sua contratação, foi obrigado a realizar o teste de HIV, prática proibida de acordo com a Portaria 1.246/2010 do Ministério do Trabalho.

De acordo com a portaria, o empregador não pode pedir a testagem de HIV, de forma direta ou indireta, nos exames relacionados ao emprego, como admissão, demissão e avaliação periódica.

O entendimento da Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho, foi contrário ao juízo da 20ª Vara do Trabalho de Curitiba, que havia decidido a favor da empresa.

Leia também:

Andamento do caso

Para a primeira instância foi legítimo o pedido da empresa, que por conta da atividade requerida (garçom em um navio de cruzeiro), exigia a permanência em alto mar por grandes períodos.

Segundo a Pullmantur, o exame era necessário pois eles providenciaram eventual medicação à tripulação do navio, devido aos longos períodos a bordo.

Após isso, o julgamento foi levado para a segunda instância, onde o Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (PR) concordou com a primeira instância.

Em seu entendimento, a exigência de exames de HIV e toxicológicos não implicam na ofensa aos direitos da personalidade, visto que foram fundamentados em motivo razoável e destinada de forma ampla, para todos os empregados.

Por fim, o caso foi recorrido mais uma vez, onde a Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho decidiu pelo ex-funcionário de forma unânime.

Segundo o entendimento da ministra Maria Helena Mallmann, relatora do caso, era claro o dano moral, pois a exigência do exame viola a intimidade e a privacidade do trabalho. Além disso, a Portaria 1.246/2010 proíbe claramente o procedimento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos