Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.259,49
    -831,59 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.579,10
    -329,08 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,46
    -0,69 (-0,96%)
     
  • OURO

    1.818,00
    -43,40 (-2,33%)
     
  • BTC-USD

    38.448,77
    -1.681,30 (-4,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    961,10
    -31,37 (-3,16%)
     
  • S&P500

    4.223,70
    -22,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.033,67
    -265,66 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.184,95
    +12,47 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.436,84
    -201,66 (-0,70%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    -150,29 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.924,50
    -56,75 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0718
    -0,0461 (-0,75%)
     

Empresa de Pernambuco é alvo dos mesmos hackers do oleoduto nos EUA

·1 minuto de leitura
Empresa de Pernambuco é alvo dos mesmos hackers do oleoduto nos EUA

O Grupo Moura, empresa pernambucana conhecida nacionalmente pela fabricação de baterias de automóveis, sofreu nesta quarta-feira (12) um ataque virtual do famoso grupo DarkSide. Os hackers tem ganhando notoriedade na mídia por realizar sequestro de dados de grandes companhias e pedirem pagamentos em criptomoedas como resgate.

O Grupo Moura teve seus fornecedores atacados por um ransomware, malware que é capaz de criptografar os dados dos dispositivos que são infectados e impedir o acesso pelos proprietários.

Em nota à Veja nesta sexta-feira (14), a empresa confirma o ataque analisando os dados que foram roubados e tomando todas as medidas necessárias para fortalecer a segurança em sua rede. A companhia, no entanto, não menciona pedido de resgate em criptomoedas.

A publicação também diz que um funcionário teria confirmado o incidente, porém teria revelado que os hackers não afetaram a produção de baterias e outros produtos da Moura.

A equipe de hackers DarkSide tem aparecido com frequência no noticiário pelo mundo após o ataque recente realizado contra a Colonial Pipeline, maior oleoduto norte-americano.

O roubo de informações chegou a afetar a distribuição de gasolina nos Estados Unidos, fazendo a companhia realizar o pagamento de US$ 5 milhões em criptomoedas para conseguir recuperar seus dados.

Além disso, o grupo de cibercriminosos confirmou, também nesta sexta-feira (14), um outro ataque, dessa vez contra a multinacional de tecnologia japonesa Toshiba.

No Brasil, as empresas Moura não são o primeiro alvo bem sucedido dos criminosos. Ataques do grupo já foram realizados contra as estatais Copel e Eletrobras em fevereiro deste ano.

O artigo Empresa de Pernambuco é alvo dos mesmos hackers do oleoduto nos EUA foi visto pela primeira vez em BeInCrypto.