Mercado abrirá em 8 h 43 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,08
    -0,20 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.827,50
    -8,60 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    57.913,98
    +2.490,49 (+4,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.564,88
    +1.322,20 (+544,84%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    27.910,60
    -103,21 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    28.052,35
    -556,24 (-1,94%)
     
  • NASDAQ

    13.234,00
    -112,00 (-0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3360
    -0,0094 (-0,15%)
     

Empresa matriz da britânica Greensill entra em liquidação

·2 minuto de leitura
Placa na sede da Greensill Capital

A empresa matriz da Greensill Capital, uma companhia financeira britânica cuja falência no mês passado abalou muitas empresas ao redor do mundo e teve repercussões políticas, foi colocada em liquidação, anunciaram seus administradores nesta quinta-feira (22).

Em uma reunião realizada pelos administradores desta falência com 41 credores, incluindo Softbank, Credit Suisse, a fundação da família do fundador Lex Greensill e a Associação de Bancos Alemães, "os credores decidiram colocar a empresa em liquidação", anunciou Grant Thornton, o escritório encarregado de gerenciar o dossiê.

A liquidação significa que os gestores não encontraram compradores após uma tentativa frustrada de vender parte dos ativos à empresa de investimentos americana Apollo.

Além da empresa matriz na Austrália, Greensill pediu concordata no mês passado no Reino Unido, onde mantém a maior parte de suas operações, e na Alemanha, onde possui uma subsidiária bancária.

A falência da Greensill, especializada em empréstimos de curto prazo a empresas para que paguem seus fornecedores, gerou uma onda de preocupação no setor financeiro e na indústria.

Em um esquema que pode ser uma reminiscência das configurações da crise financeira de 2008, a Greensill obteve financiamento convertendo a dívida detida por estas empresas em produtos financeiros que vendeu a grandes investidores.

A queda foi causada por uma seguradora que se recusou a renovar a cobertura de suas transações.

Sua estrutura e transações opacas levantaram suspeitas de fraude e dúvidas sobre o valor de seus ativos.

A falência causou pesadas perdas ao Credit Suisse, por exemplo, e ameaça o império industrial do magnata anglo-indiano do aço Sanjeev Gupta, que era um de seus principais clientes e emprega dezenas de milhares de pessoas na Austrália, França e Reino Unido.

O caso também tem ramificações políticas no Reino Unido, onde o ex-primeiro-ministro David Cameron foi duramente criticado por pressionar o governo britânico em nome da Greensill, de quem era conselheiro.

ved/acc/zm/mr