Mercado fechará em 2 h 14 min
  • BOVESPA

    113.705,86
    -1.356,68 (-1,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,66
    +0,05 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.757,20
    -37,60 (-2,09%)
     
  • BTC-USD

    47.638,69
    -576,98 (-1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.223,60
    -9,69 (-0,79%)
     
  • S&P500

    4.458,06
    -22,64 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    34.644,16
    -170,23 (-0,49%)
     
  • FTSE

    7.027,48
    +10,99 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.434,75
    -69,25 (-0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1862
    -0,0098 (-0,16%)
     

Empresa japonesa revela novo módulo lunar que será lançado em 2024

·2 minuto de leitura

Nesta terça-feira (23), a empresa japonesa ispace anunciou o desenvolvimento de um novo módulo lunar, o Series 2. Com cerca de 2,7 metros de altura, a espaçonave terá capacidade de transportar até 500 kg de cargas úteis para a superfície da Lua e está programada para ser lançada em 2024, marcando a terceira missão lunar da ispace.

A novidade foi anunciada durante o 36º Simpósio Espacial em Colorado, que começou no último dia 23 e termina amanhã. Em nota oficial, o fundador e CEO da ispace, Takeshi Hakamada, disse que "ao olharmos para o futuro próximo, o Series 2 nos permitirá não apenas aumentar nossas capacidades, mas também fornecer maior acesso e oportunidades para nossos clientes". Além disso, Hakamada acrescentou que o novo módulo é um passo positivo para a concretização de um ecossistema lunar diversificado e sustentável.

(Imagem: Reprodução/ispace)
(Imagem: Reprodução/ispace)

Antes que o módulo Series 2 decole, a ispace ainda tem outras duas missões já planejadas. A primeira está programada para ser lançada no próximo ano a bordo do foguete Falcon 9, da SpaceX. O objetivo será entregar à Lua o rover Rashid, dos Emirados Árabes, entre outras cargas úteis de diversos clientes — o módulo responsável por esta missão está em sua fase final de montagem na Alemanha. A empresa pretende realizar sua segunda missão lunar em 2023, provavelmente também em um Falcon 9.

Segundo a ispace, o trabalho da missão do Series 2 já está em andamento e terá a parceria das empresas norte-americanas General Atomics e Draper. Em junho deste ano, o projeto passou por um marco importante, conhecido como revisão preliminar. O módulo lunar tem vários compartimentos para o transporte de cargas úteis, o que permitirá a flexibilização para uma variedade de clientes, sejam do governo, do setor privado ou pesquisas científicas.

(Imagem: Reprodução/ispace)
(Imagem: Reprodução/ispace)

A sonda lunar pretende ser uma das primeiras com a capacidade de resistir às geladas noites da Lua, bem como a habilidade de pousar tanto no lado mais próximo quanto o mais distante de nosso satélite natural — em especial, nas regiões polares do satélite natural, onde os cientistas acreditam ter gelo de água, recurso fundamental para estabelecer a presença humana por lá. Em apoio ao Programa Artemis, a NASA planeja enviar uma série de tecnologias para lá nos próximos anos.

A ispace espera que seu novo módulo seja uma alternativa atraente para a agência espacial norte-americana, que, por enquanto, mantém suas viagens dentro do seu programa Commercial Lunar Payload Services (CLPS). "Nos próximos meses, trabalharemos em estreita colaboração com a Draper e a General Atomics para nos prepararmos para a próxima ordem de tarefa CLPS da NASA", informou Kyle Acierno, CEO da subsidiária da ispace sediada em Denver, EUA, desde o ano passado. "Com quase 30 membros da equipe, continuamos a crescer nos EUA e estamos focados em ampliar nossa colaboração com parceiros americanos", ressaltou Acierno.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos