Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,33
    -1,33 (-1,61%)
     
  • OURO

    1.797,00
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    58.830,04
    -1.918,16 (-3,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.408,10
    -66,23 (-4,49%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.648,42
    +19,68 (+0,08%)
     
  • NIKKEI

    28.759,61
    -338,63 (-1,16%)
     
  • NASDAQ

    15.614,50
    +27,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4203
    -0,0044 (-0,07%)
     

Empresa israelense do programa de espionagem Pegasus pede regulamentação internacional

·2 minuto de leitura
A NSO se viu no centro de um escândalo após uma investigação publicada em julho sobre o software Pegasus, que teria permitido a espionagem de telefones de jornalistas, políticos, ativistas e empresários de diversos países (AFP/JOEL SAGET)

A empresa israelense NSO, que comercializa o programa de espionagem Pegasus - no centro de um escândalo divulgado este ano -, pediu uma regulamentação internacional do setor para não violar liberdades e direitos, segundo com mensagem enviada à ONU e a qual a AFP teve acesso.

"Apoiamos com veemência a criação de um marco legal e de parâmetros aplicáveis a todo o setor, assim como recomendações para determinar melhor os usuários finais legítimos destes sistemas cruciais", afirma um e-mail do presidente do grupo, Asher Levy, para várias autoridades da ONU.

A NSO se viu no centro de um escândalo após a investigação publicada em julho por um consórcio de 17 meios de comunicação internacionais sobre o software Pegasus, que teria permitido a espionagem de telefones de jornalistas, políticos, ativistas e empresários de diversos países.

A empresa alega que não explorava a tecnologia. "Nós oferecíamos o programa, não explorávamos o sistema", disse à AFP uma fonte próxima à empresa.

Uma vez instalado em um telefone, o programa Pegasus permitia acesso às mensagens, a seus dados ou a ativação do aparelho à distância para captar som ou imagem.

A NSO afirma em sua carta que leva as revelações "muito a sério" e que iniciou uma investigação interna sobre o uso do programa, que a empresa apresenta como o melhor para os governos em sua luta conta o crime.

"Como as autoridades podem deter pedófilos e impedir ataques terroristas sem este tipo de ferramentas? É impossível", declarou a fonte vinculada à empresa.

Também afirma que o grupo segue regras muito rígidas antes de conceder a seus clientes o direito de usar o programa.

Estas regras já foram utilizadas para descartar potenciais clientes e sua aplicação implicou a renúncia a "centenas de milhões de dólares", segundo outra fonte.

Porém, a primeira fonte destacou que a NSO tem recursos limitados para assegurar que os clientes não façam um uso ilegítimo de seus produtos.

"Não podemos ficar atrás de um cliente para ver a quem apontam", disse.

Por este motivo, o grupo defende uma regulamentação internacional com a mediação da ONU e que reúna todas as partes envolvidas, de defensores das liberdades individuais a provedores de serviços na nuvem.

kjl-fz/cn/dbh/zm/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos