Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.423,39
    +790,41 (+1,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Empresa de energia argentinas aumentam preços pela 1a vez desde 2019

·1 minuto de leitura

BUENOS AIRES (Reuters) - As principais empresas de distribuição de energia da Argentina, Edenor e Edesur, vão aumentar os preços da eletricidade em 9% na cidade de Buenos Aires e seus arredores, informou neste sábado regulador nacional, no primeiro aumento desde o congelamento de tarifas em 2019 ajudar a conter a inflação.

A Entidade Nacional de Regulação da Eletricidade (ENRE) afirmou em comunicado que o aumento de preços, a vigorar a partir de sábado, é necessário para "garantir a continuidade, acessibilidade e normalidade da prestação deste serviço público essencial".

O governo argentino tem mantido os preços de energia congelados desde que assumiu em meio a alta inflação, que ainda está em uma taxa anual acima de 40%, o que pesa no crescimento do país e no poder de compra do consumidor.

"Desde dezembro de 2019, o governo da Frente de Todos tem priorizado a necessidade de reduzir o impacto das taxas sobre o poder de compra das famílias, empresas e indústrias, no contexto de uma emergência econômica, sanitária e energética", disse o ENRE.

A questão dos preços da eletricidade causou tensões entre as empresas de serviços públicos e partes da coalizão governante, que queriam evitar um aumento nos preços em meio ao aumento dos níveis de pobreza no país.

(Reportagem de Lucila Sigal)