Mercado fechará em 6 h 51 min
  • BOVESPA

    102.814,03
    +589,77 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.796,30
    +303,78 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,95
    -2,00 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.794,50
    +9,30 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    58.058,90
    +1.049,80 (+1,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.473,66
    +44,73 (+3,13%)
     
  • S&P500

    4.655,27
    +60,65 (+1,32%)
     
  • DOW JONES

    35.135,94
    +236,60 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.042,21
    -67,74 (-0,95%)
     
  • HANG SENG

    23.475,26
    -376,98 (-1,58%)
     
  • NIKKEI

    27.821,76
    -462,16 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.290,00
    -100,75 (-0,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3495
    +0,0203 (+0,32%)
     

Empresa é condenada a pagar R$ 5,8 mil por entregar marmitas estragadas

·1 min de leitura
Testemunhas citaram que carne tinha aspecto azulado e feijão vinha podre <p>(Getty Images)</p>
Testemunhas citaram que carne tinha aspecto azulado e feijão vinha podre

(Getty Images)

  • Trabalhador será indenizado em R$ 5,8 mil por empresa em que trabalhava

  • Processo alegava que os funcionários recebiam marmitas com comida vencida

  • Segundo testemunhas, houve casos de intoxicação alimentar 

Um trabalhador de Goiânia será indenizado em R$ 5,8 mil após receber marmitas estragadas na empresa de engenharia onde trabalhava. O valor é cinco vezes maior do que seu salário da época.

Segundo o processo, a qualidade da comida entregue aos funcionários era duvidosa. Depoimentos alegam que o purê de batatas e feijão vinham estragados e que a carne era servida crua ou com aspecto azulado. As testemunhas também informaram que houve casos em que os trabalhadores tiveram que buscar atendimento médico após sofrerem com intoxicação alimentar.

Leia também:

Inicialmente, a Justiça havia condenado a empresa a pagar R$ 1,1 mil em danos morais por degradação e humilhação do funcionário, mas ele não aceitou e recorreu da decisão, justificando que a empresa afrontava as normas de higiene e segurança do trabalho.

A empresa chegou a rebater e garantiu tomar todo o cuidado necessário ao fornecer marmitas frescas e com orientação de nutricionista, mas o desembargador Eugênio Cesário entendeu que as alegações não tinham fundamento.

“O quadro clínico narrado pelas testemunhas não lhes resultou consequências mais críticas, mas é certo que intoxicações alimentares podem provocar inclusive a morte de um indivíduo”, afirmou.

Com isso, o valor da sentença foi elevado para R$ 5,8 mil. As informações foram divulgadas pelo Brasil Econômico.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos