Mercado abrirá em 50 mins
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,26
    +2,02 (+2,62%)
     
  • OURO

    1.769,60
    +14,30 (+0,81%)
     
  • BTC-USD

    16.503,65
    +289,65 (+1,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,63
    +9,34 (+2,46%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.524,22
    +50,20 (+0,67%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.669,00
    +52,75 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5651
    +0,0159 (+0,29%)
     

Empresa dinamarquesa Maersk apresenta grande plano de produção de metanol verde na Espanha

A Espanha pode se tornar um importante produtor de metanol verde no futuro? A gigante do transporte marítimo Maersk e o governo espanhol apresentaram, nesta quinta-feira (3), um grande projeto de 10 bilhões de euros para desenvolver este combustível, considerado estratégico para a descarbonização do transporte marítimo.

Este projeto pioneiro, que deve ser lançado no final dos estudos técnicos no segundo semestre de 2023, "propõe mobilizar, com a participação de sócios privados, um investimento de cerca de 10 bilhões de euros (9,79 bilhões de dólares)", conforme noticiou o governo espanhol em comunicado.

Deve conduzir à criação de dois grandes centros de produção de metanol verde, um na Andaluzia (sul) e outro em Galiza (noroeste), com a criação de "85.000 empregos diretos e indiretos na Espanha", acrescentou.

O metanol verde, também conhecido como "e-metanol", é produzido pela mistura de dióxido de carbono (CO2) e hidrogênio verde, que é produzido pela quebra de moléculas de água por meio de uma corrente elétrica - a chamada "eletrólise da água" - com fontes de energia renováveis.

A iniciativa, cujas linhas gerais foram objeto de um memorando de entendimento assinado nesta quinta-feira entre o presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, e o diretor-geral da Maersk, Søren Skou, poderá, segundo Madri, beneficiar-se de financiamento público, particularmente por meio do fundo europeu de recuperação pós-covid.

Segundo o grupo dinamarquês, líder mundial no transporte marítimo de contêineres, a meta é produzir "até dois milhões de toneladas" de metanol verde por ano até 2030. O suficiente para permitir que a multinacional descarbonize 10% de sua frota de navios.

De acordo com as projeções, "a Maersk precisa de cerca de seis milhões de toneladas de metanol verde por ano" para cumprir sua meta de redução de CO2 até 2030 e "quantidades ainda maiores até 2040" para tornar sua frota neutra em carbono, disse o grupo.

O hidrogênio verde, energia considerada fundamental para a descarbonização da economia, encontra-se atualmente em ascensão na Espanha, país onde abundam o sol e o vento e que procura se posicionar como um ator fundamental na transição energética na Europa.

Segundo a Presidência espanhola, o lançamento deste projeto de produção de metanol verde vai exigir a construção de 20 a 80 parques solares ou eólicos, distribuídos por todo o território espanhol, e exigirá "grandes esforços" de coordenação.

A Maersk, que vendeu sua divisão de petróleo para a TotalEnergies em 2017, pretende ser neutra em carbono até 2050.

vab/al-du/mb/aa