Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.545,10
    +513,12 (+0,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.746,56
    +108,20 (+0,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,40
    -3,01 (-3,37%)
     
  • OURO

    1.791,20
    -6,90 (-0,38%)
     
  • BTC-USD

    23.936,17
    -84,50 (-0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    568,50
    -3,41 (-0,60%)
     
  • S&P500

    4.305,24
    +8,10 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.152,04
    +239,60 (+0,71%)
     
  • FTSE

    7.536,06
    +26,91 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    19.830,52
    -210,34 (-1,05%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,87 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.665,50
    -15,75 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2234
    +0,0449 (+0,87%)
     

Empresa constrange passageira por seu peso e é condenada a pagar R$ 12 mil

·2 min de leitura
Ônibus
Caso aconteceu em Brasília

(Getty Images)

  • Empresa de transporte é condenada a pagar R$ 12 mil de indenização por danos morais

  • Mulher teria sido constrangida dentro de um ônibus por conta de seu peso

  • Motorista e cobrador não permitiram que ela entrasse pela porta traseira

A Viação Piracicabana foi condenada a pagar indenização por danos morais no valor de R$ 12 mil após constranger uma mulher por conta de seu peso. A vítima estava em um dos ônibus de transporte público da empresa, em Brasília, com seu irmão de oito anos de idade.

Leia também:

De acordo com os relatos, a mulher havia pagado a passagem e pedido ao cobrador que girasse a roleta e a deixasse entrar pela porta traseira do ônibus. O pedido é comum por quem tem dificuldades em passar pela catraca.

No entanto, o profissional, juntamente com o motorista, negou o pedido, o que fez com que ela viajasse em pé, já que os assentos estavam ocupados por idosos. Somado a isso, está o fato de que ela passou o percurso inteiro preocupada com o irmão menor, que estava sentado sozinho na parte de trás do ônibus.

A vítima ainda alegou que o motorista e o cobrador foram sarcásticos, mesmo após a intervenção de outros passageiros. Em contrapartida, a Viação Piracicabana afirmou que a vítima pediu a abertura da porta após o veículo deixar o terminal rodoviário, o que não seria seguro.

"As provas definem que o não atendimento ao pedido da autora transbordou a mera negativa de pedido, conduta que se revelou abusiva, irônica e debochada dos funcionários da empresa dada a obesidade da autora", escreveu a desembargadora Maria Ivatonia Barbosa dos Santos, relatora do processo.

A decisão foi da 5ª Turma Cível do Tribunal de justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT). As informações são do O Globo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos