Mercado fechado

Empresa cria "bolsa de valores" de pessoas

Stephanie Kohn

Já imaginou uma "bolsa de valores" que negocia horas humanas em vez de ações? A ideia pode até parecer mais um episódio de Black Mirror, mas é realidade. O Human IPO é um marketplace que transaciona o tempo de profissionais.

A pessoa abre seu próprio IPO, vendendo até 500 horas do seu tempo e escolhendo o valor inicial por cada hora. Os investidores, por sua vez, compram e vendem as "ações" - cada hora equivale a uma ação. O valor de cada humano sobe e desce assim como acontece em uma bolsa de valores, e os proprietários das ações podem resgatar o tempo da pessoa em uma reunião individual, por exemplo.

A ideia da Human IPO nasceu em 2018 quando os fundadores, Kirill Goryunov e Vlas Lezin, chegaram a conclusão de que os ativos mais valiosos das empresas são as pessoas. Com isso, ambos concordaram de que havia um grande potencial no capital humano.

Eles lançaram o Human IPO de forma bem discreta em outubro de 2019 e somente neste mês iniciaram a divulgação. Com a publicidade rodando pela internet, alguns curiosos chegaram até a plataforma, mas nem todos curtiram a ideia. Um dos visitantes chegou a comentar que a chamada do projeto (Emitir, negociar e resgatar patrimônio humano respaldado pelo tempo) "é a manchete tecnocrática mais orwelliana para expressar a escravidão salarial moderna e o capitalismo existente".

Goryunov, que passou a maior parte de sua carreira em empresas de tecnologia como o Google, e Lezin, antigo vice-presidente da Goldman Sachs e Wells Fargo, se mostraram surpresos com as críticas. Para eles, no mundo do empreendedorismo é comum que investidores escolham as empresas pelos fundadores e não apenas pela empresa e/ou ideia.

Ainda que hajam críticos do projeto, os fundadores informaram que o Human IPO já possui centenas de investidores e mais de 600 pessoas querendo abrir seu capital.

Para conhecê-lo, clique aqui.

Fonte: Canaltech