Mercado fechará em 2 h 26 min
  • BOVESPA

    111.088,27
    +415,52 (+0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.424,84
    +22,14 (+0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,60
    +0,64 (+0,77%)
     
  • OURO

    1.785,40
    +14,90 (+0,84%)
     
  • BTC-USD

    66.582,98
    +3.991,46 (+6,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.550,10
    +69,29 (+4,68%)
     
  • S&P500

    4.538,78
    +19,15 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    35.657,71
    +200,40 (+0,57%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.391,25
    -7,25 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4640
    -0,0322 (-0,50%)
     

Empresa chega ao Brasil com "cheque em branco" para investir em carros flex

·2 minuto de leitura

O mercado automotivo brasileiro deve ser impactado fortemente com a chegada de um importante player de investimentos ao país: a Qell Acquisition. O grupo norte-americano, que anunciou a abertura de um escritório em São Paulo, é uma daquelas empresas com "cheque em branco", disposta a efetuar injeções de cifras altíssimas para se posicionar e desenvolver setores específicos da indústria.

A ideia da Qell aqui no Brasil é clara como a água: comprar empresas do setor automotivo, em negócios que devem girar na casa dos US$ 3 bilhões (R$ 16,6 bilhões). Mas, ao contrário da tendência de eletrificação da indústria, o foco do grupo será nos carros movidos a etanol, já que poucos países dominam essa tecnologia e ela se mostra bem eficiente quanto aos níveis de poluição.

E para alcançar esse objetivo, a Qell escalou um time de peso. Comandarão o escritório do Brasil nomes como Barry Engle, ex-presidente da General Motors Internacional; Francisco Valim, ex-presidente de Nextel e Via; e Carlos Zarlenga, que até agosto deste ano era presidente da GM na América do Sul. Juntos eles serão os rostos e a voz da Qell Latam Partners, que também mira esse tipo de investimento em outros países do continente.

(Imagem: Matheus Argentoni/Canaltech)
(Imagem: Matheus Argentoni/Canaltech)

Segundo a Reuters, a Qell deve se apresentar ao mercado com mais propriedade e anunciar o pacote de investimentos. Depois disso, fará a movimentação padrão das Special Purpose Acquisition Company (SPACs), as chamadas empresas com "cheque em branco". Inicialmente, de acordo com os executivos, o grupo terá como foco carros flex ou totalmente movidos a etanol e, depois, vai observar outras indústrias.

Por que a América do Sul?

Em entrevista à Reuters, Francisco Valim revelou que a Qell Acquisition mirou o mercado sul-americano porque entende que a região será "deixada de lado" nesse avanço dos carros elétricos. Os motivos, claro, são vários, mas a região tem como compensar esse esquecimento com o etanol. “Estamos em outra condição e não tem ninguém focado em desenvolver veículos com uma tecnologia consagrada que nós já temos. Apostar tudo no elétrico é um erro aqui", disse Valim.

O pensamento do executivo é bem parecido com o de Pablo Di Si, CEO da Volkswagen Brasil. "Para a América Latina, se faz necessário o desenvolvimento de soluções tecnológicas a partir dos biocombustíveis, como o etanol, que sirvam de ponte até a implementação total da eletrificação na região. Tecnologia essa com potencial para ser exportada para outros países", disse o executivo em entrevista ao Canaltech em agosto.

Resta saber qual será o movimento da Qell Acquisiton por aqui. Ao que tudo indica, teremos fortes emoções no mercado automotivo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos