Mercado fechará em 1 h 9 min
  • BOVESPA

    99.957,22
    -1.302,53 (-1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.313,21
    -394,51 (-1,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,40
    -1,45 (-3,64%)
     
  • OURO

    1.903,60
    -1,60 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    12.841,87
    -308,16 (-2,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,81
    -7,61 (-2,89%)
     
  • S&P500

    3.376,81
    -88,58 (-2,56%)
     
  • DOW JONES

    27.478,11
    -857,46 (-3,03%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.365,00
    -298,50 (-2,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6472
    -0,0167 (-0,25%)
     

Empresa britânica quer infectar voluntários com coronavírus para testar vacina

·1 minuto de leitura
Illustrative vial of coronavirus vaccine
(Foto: Getty Images)

Uma empresa de biotecnologia no Reino Unido está negociando com o governo para tentar criar vacinas contra a Covid-19. Para fazer os testes, a ideia da companhia é infectar os voluntários com o novo coronavírus. A informação é da agência Reuters.

Primeiro, os voluntários recebem a vacina e, um mês depois, são contaminados de forma proposital com o vírus em situações controladas. As pessoas são isoladas e monitoradas para saber se ficaram doentes ou se a vacina funcionou.

O estudo está sendo feito pela hVIVO, uma unidade do grupo farmacêutico Open Orphan. À Reuters, o presidente-executivo da empresa, Cathan Friel, explicou que a empresa está conversando com autoridades do Reino Unido para fazer um “teste de desafio de Covid-19”.

Leia também

O objetivo do método é acelerar o processo para verificar a eficácia de uma vacina contra o coronavírus. No entanto, o método divide opiniões. Enquanto alguns afirmam que é uma boa maneira de encurtar processos, outros classificam como antiético infectar pessoas intencionalmente.

Segundo a Reuters, as empresas AstraZeneca, Sanofi, Moderna, Inovio e BioNTech disseram em setembro que as vacinas não estão sendo desenvolvidas dessa forma.