Mercado fechará em 3 h 51 min
  • BOVESPA

    118.596,07
    -1.050,33 (-0,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.357,66
    +231,95 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,84
    -0,47 (-0,88%)
     
  • OURO

    1.863,60
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    31.486,55
    -2.015,55 (-6,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    627,01
    -52,90 (-7,78%)
     
  • S&P500

    3.851,30
    -0,55 (-0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.174,93
    -13,45 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.732,21
    -8,18 (-0,12%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    +285,48 (+0,96%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.317,50
    +23,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4974
    +0,0894 (+1,40%)
     

Empresa aposta R$ 51 bilhões em fim de home office após pandemia

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
Empresa aposta na volta ao escritório. (Foto: Getty Images)
Empresa aposta na volta ao escritório. (Foto: Getty Images)

Uma empresa canadense está fazendo uma aposta gigantesca, de mais de R$ 51 bilhões, no fim do home office após a pandemia no Japão.

As informações são de uma reportagem da rede de notícias Bloomberg.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

A Sun Life Financial, especializada em seguros, está usando seu braço imobiliário para fazer esses investimentos no país asiático. Segundo a Bloomberg, mais de 70% do valor investido será para a construção de escritórios no distrito comercial da capital japonesa.

Leia também:

O negócio e o tamanho da aposta chamam a atenção em um momento em que muitas grandes empresas se posicionam no sentido de flexibilizar o regime de trabalho. O Google, por exemplo, anunciou que volta ao escritório somente em setembro do ano que vem, e com regime flexível.

Outras gigantes, como Unilever, têm feito o mesmo, com iniciativas semelhantes.

Mas, para a Sun Life, a aposta no Japão faz sentido por um principal ponto: a cultura corporativa japonesa, que é mais conservadora, e que segundo suas análises, fará os trabalhadores quererem voltar aos escritórios assim que a sensação de segurança for minimamente restaurada.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube