Mercado fechará em 3 h 42 min
  • BOVESPA

    108.569,46
    -2.216,97 (-2,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.838,08
    -460,12 (-0,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,40
    -2,02 (-2,42%)
     
  • OURO

    1.780,50
    -4,40 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    63.722,35
    -2.836,08 (-4,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.505,58
    -29,06 (-1,89%)
     
  • S&P500

    4.533,39
    -2,80 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    35.495,05
    -114,29 (-0,32%)
     
  • FTSE

    7.201,41
    -21,69 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.437,00
    +59,50 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5783
    +0,0587 (+0,90%)
     

Empresários mostram cautela e confiança de serviços no Brasil cai em setembro, mostra FGV

·1 minuto de leitura
Consumidores fazem compras em rua comercial de São Paulo

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A confiança do setor de serviços do Brasil mostrou queda em setembro e interrompeu cinco meses de altas devido à cautela dos empresários, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgados nesta quarta-feira.

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) teve no mês recuo de 2,0 pontos em relação a agosto, chegando a 97,3 pontos.

"O resultado ainda não parece sugerir uma reversão da tendência positiva, mas demonstra que os empresários ligaram o sinal de alerta", explicou Rodolpho Tobler, economista da FGV Ibre, em nota com os dados.

Segundo a FGV, o resultado do mês foi mais influenciado pela revisão das expectativas em relação aos próximos meses, mas também foi afetado pela percepção de ligeira piora na situação corrente.

Em setembro, o Índice de Situação Atual (ISA-S), indicador da percepção sobre o momento presente do setor de serviços, recuou 0,7 ponto e chegou a 92,3 pontos.

Enquanto isso, o Índice de Expectativas (IE-S), que reflete as perspectivas para os próximos meses, teve queda de 3,4 pontos, para 102,3.

Tanto o ISA-S quanto o IE-S interromperam série de cinco altas consecutivas.

"Mesmo com resultado negativo, o nível de confiança do setor de serviços continua acima do nível pré-pandemia, mas alguns fatores podem frear o ritmo de recuperação, como a recente queda da confiança do consumidor, lenta recuperação do mercado de trabalho, inflação e incertezas relacionadas ao controle da pandemia", alertou Tobler.

Em julho, dados do IBGE mostraram que o volume de serviços cresceu 1,1% em relação ao mês anterior, quarta alta seguida e iniciando o terceiro trimestre no patamar mais elevado em cinco anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos