Mercado abrirá em 7 h 52 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,50
    +0,45 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.685,10
    +7,10 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    53.754,63
    +3.281,26 (+6,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.085,65
    +61,44 (+6,00%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    +88,61 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    28.924,92
    +384,09 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    28.905,60
    +162,35 (+0,56%)
     
  • NASDAQ

    12.454,00
    +156,75 (+1,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9718
    +0,0120 (+0,17%)
     

Empresários britânicos pedem mais ajuda ao governo para enfrentar a pandemia

·2 minuto de leitura
O ministro das Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak, em 25 de novembro de 2020 no Parlamento de Londres

Os empregadores britânicos pediram nesta terça-feira (18) ao governo que ajude mais e sem demora as empresas ameaçadas pela pandemia, com prolongamento do desemprego parcial e incentivos fiscais.

Temendo que dezenas de milhares de pequenas empresas possam entrar em colapso, a Confederação da Indústria Britânica (CBI) pediu ao Ministro das Finanças, Rishi Sunak, para agir com urgência, alegando não poder esperar até a oficialização do orçamento anual de 3 de março para ação.

“Nas próximas semanas, as empresas tomarão decisões difíceis sobre empregos, ou mesmo sobre como continuar fazendo negócios”, avisou Tony Danker, diretor-executivo da CBI.

“Se o governo planeja continuar ajudando, peço que aja antes do orçamento”, continuou.

A CBI reconheceu que as autoridades já fizeram muito pelas empresas desde o início da pandemia, mas muitas delas estão em perigo devido à queda na demanda devido às restrições impostas para conter o novo coronavírus.

A Inglaterra vive seu terceiro confinamento, o mais rígido desde a primavera de 2020, que causará uma nova recessão.

O CBI, que representa 190.000 empresas, quer que o governo prorrogue além de abril - até o final de junho - o regime de desemprego parcial para limitar os danos sociais e preservar o emprego.

Defende ainda o diferimento do pagamento do IVA e a manutenção da isenção do imposto sobre as instalações da empresa por mais três meses, o que ajudaria sobretudo o comércio e os restaurantes.

O governo já mobilizou quase 300 bilhões de libras (408 bilhões de dólares) desde o início da crise da saúde para proteger a economia.

Recentemente, estendeu o desemprego parcial até abril e concedeu subsídios para restaurantes e comércios que devem permanecer fechados.

A Federação das Pequenas Empresas (FSB) estima que pelo menos 250.000 PME podem ir à falência se não receberem mais ajuda.

jbo/ved/els/erl/am