Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.690,17
    +1.506,22 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.004,19
    -373,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,93
    +0,10 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.687,40
    -13,30 (-0,78%)
     
  • BTC-USD

    46.717,02
    -3.880,70 (-7,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    933,76
    -53,45 (-5,41%)
     
  • S&P500

    3.768,47
    -51,25 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.924,14
    -345,95 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.650,88
    -24,59 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    28.667,14
    -569,65 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    28.385,70
    -544,41 (-1,88%)
     
  • NASDAQ

    12.337,25
    -117,75 (-0,95%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7821
    -0,0038 (-0,06%)
     

Empresários atribuem retração do comércio ao fim do auxílio e a piora da pandemia

BRUNA NARCIZO
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS0 - O fim do auxílio emergencial e o aumento de casos de Covid-19 no Brasil têm feito com que os resultados do varejo fiquem abaixo das projeções do setor. Segundo empresários de grandes redes varejistas, os meses de agosto, setembro e outubro apontavam para uma recuperação, mas novembro, dezembro e janeiro foram muito piores do que o esperado. Nesta quarta (10), o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou que as vendas do setor despencaram 6,1% em dezembro, queda acima da esperada pelo mercado, que projetava um recuo de 0,7% no mês. No ano, o varejo encerrou com alta de 1,2%, a mais baixa nos últimos quatro anos. "As vendas caíram muito. Imaginava-se que o fim do auxílio seria compensado pela retomada econômica, mas veio a segunda onda. Então, acabou o auxílio e a retomada não veio", diz o empresário Flávio Rocha, que comanda a rede Riachuelo. Rocha afirma que o mês de janeiro foi o pior mês desde agosto, quando diversos estados flexibilizaram as medidas restritivas adotadas para contenção da Covid-19, o que aumentou a circulação de pessoas nas ruas e levou a uma retomada nas vendas. "Esperava-se a retomada, mas ficamos no pior dos mundos, sem auxílio e sem emprego", afirma ele. O começo da vacinação contra o vírus no Brasil não anima o empresário. Rocha diz que para uma retomada de fato é necessário acabar com as restrições de dias e horários impostas por alguns prefeitos e governadores. "As restrições são terríveis. Nos ambientes de forte risco de contágio, como praias e bailes funks, não há controle ou restrição. São punidos os ambientes onde o contágio não acontece", afirma ele. Ele chama as restrições de contrassenso. "Não faz sentido restringir ambientes seguros e necessários para a retomada." Pata Tito Bessa Junior, da TNG, o ambiente se deteriorou de tal maneira que considera até complicado fazer uma projeção para os próximos meses. "É difícil fazer um prognóstico. A cada semana fazemos um planejamento diferente. Belo Horizonte, por exemplo, passou fechado durante o mês de janeiro inteiro. Então, todo planejamento feito em outubro, teve que ser refeito", diz o empresário. Segundo ele, no entanto, o fim do auxílio emergencial não deve ter um impacto muito grande no seu negócio. "No caso da TNG, como eu não tenho loja em shopping voltado para classe C o nosso problema não é o fim do auxílio. Precisamos é do auxílio do governo para nos manter vivos", afirma Bessa Junior. Assim como Rocha, ele não se mostra tão otimista com a vacinação. "Acho que vamos sofrer ainda até o final de março, enquanto a pandemia não estabilizar e a vacina não tiver esse efeito de segurança." Para Caito Maia, da Chilli Beans, o momento obriga a busca de alternativas para compensar a conjuntura, e é o que ele tem feito. Mesmo com lojas fechadas no estado de São Paulo e nas capitais do Amazonas e de Minas Gerais, janeiro trouxe para a empresa um resultado 1% acima do que foi registrado no mesmo período de 2020, pré-pandemia. "Esses fechamentos são muito graves, pois impactam o faturamento. O fim do auxílio também é grave. É um poder aquisitivo que você está tirando do consumidor", diz ele. "Mas não fico olhando para essas coisas. Vejo empresários botando culpa nisso. Nós vamos buscar alternativas e nichos de mercado que ainda não exploramos", diz. Segundo ele, a Chilli Beans registrou um resultado 10% mais alto no último quadrimestre de 2020, na comparação com 2019. "Ainda assim, o ano teve uma queda de 11% . O que na minha opinião é um milagre já que ficamos quatro meses fechados", afirma.