Mercado fechará em 6 h 16 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,72
    -0,16 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.929,80
    -1,00 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    23.533,90
    -274,15 (-1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    537,45
    -7,86 (-1,44%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.840,65
    +20,49 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.690,75
    -156,00 (-1,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5493
    +0,0596 (+1,09%)
     

Empresários apoiam plano de Haddad, mas com ressalvas

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O pacote de medidas anunciado nesta quinta-feira (12) pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, foi recebido no empresariado com uma avaliação positiva sobre a proposta para mitigar o déficit, mas há ressalvas.

Lawrence Pih, um dos primeiros empresários a apoiar o PT nos anos 1980, afirma que a intenção do governo é boa, porém, é preciso avaliar até que ponto as projeções da equipe econômica podem se tornar realidade.

"Não será fácil aumentar a arrecadação, pois 2023 sinaliza pífio crescimento econômico no Brasil e recessão mundial", disse o investidor.

Para ele, Lula terá de "navegar com extrema habilidade" para contornar a ala política mais à esquerda –representada por Aloízio Mercadante (BNDES), Nelson Barbosa e Gleisi Hoffmann–, dar autonomia para Haddad e Simone Tebet (Planejamento) e não se afastar do mercado.

"Ele tem de ter um discurso progressista, mas ao mesmo tem de ser comedido em não assustar o motor de crescimento, que é o setor privado. Era mais fácil no primeiro mandato pois [Antonio] Palocci e, principalmente [Henrique] Meirelles, serviam de para-choque. Hoje com Haddad e Tebet é mais difícil, não tem um banqueiro no primeiro escalão para absolver as pancadas", diz.

Laercio Cosentino, da Totvs, pede reformas. "Toda medida que vise a redução do déficit do Brasil tem o apoio de quem pensa no país no médio e longo prazo. Entretanto, precisamos ir além. Faz-se necessário apresentar e implementar um plano que inclua o social, o equilíbrio fiscal e as reformas estruturantes. Governar é saber priorizar", afirma.

A Abit (associação da indústria têxtil) pede "uma reforma tributária que seja simplificadora, que reduza litigiosidades e que garanta a sustentabilidade do Estado não pelo aumento de impostos, mas pela indução ao desenvolvimento de nossa economia", diz em nota.

Um dos pilares do plano que gerou desconforto foi o retorno do "voto de qualidade" no Carf (Conselho de Administração de Recursos Fiscais), tribunal administrativo responsável por julgar casos de discordância entre contribuinte e Receita Federal. O dispositivo, extinto em 2020, assegurava à Receita a manutenção da cobrança tributária em casos de empate no julgamento.

Segundo Haddad, sem o voto de qualidade, o prejuízo à União ultrapassa R$ 60 bilhões por ano.

No grupo de empresários do Esfera Brasil, a mudança é vista como negativa, ideia compartilhada pela Abrasca (associação das companhias abertas), que definiu como "equivocada" a atribuição de aumento na arrecadação ao retorno do voto. A medida, diz a entidade, pode aumentar o conflito judicial e gerar efeito contrário ao esperado por Haddad.

"Não é possível estimar ganhos de arrecadação dessa medida, a menos que se pressuponha interferência nos julgamentos, o que seria uma desvirtuação ainda maior do órgão, nem indicar essa alteração como uma solução para o crescente problema fiscal do país", afirmou a entidade.