Mercado fechará em 5 h 27 min
  • BOVESPA

    106.289,82
    -84,05 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.973,27
    +228,35 (+0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,35
    +1,53 (+1,83%)
     
  • OURO

    1.806,60
    -9,90 (-0,55%)
     
  • BTC-USD

    41.527,83
    -1.094,45 (-2,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,57
    -33,16 (-3,23%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.570,73
    -40,50 (-0,53%)
     
  • HANG SENG

    24.112,78
    -105,25 (-0,43%)
     
  • NIKKEI

    28.257,25
    -76,27 (-0,27%)
     
  • NASDAQ

    15.339,00
    -256,75 (-1,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2777
    -0,0161 (-0,26%)
     

Empresária que forjou sequestro enviou imagens encapuzada mas acabou presa, em MT

·1 min de leitura

CUIABÁ — Presa por forjar o próprio sequestro nesta quinta-feira, a empresária Ruana Sabrina Fortunato Freitas, de 28 anos, chegou a registrar imagens de si mesma encapuzada e com as mãos para trás, para simular que estava sob poder dos supostos sequestradores. Ela enviou as fotos e vídeos para o próprio marido, o também empresário Laudelino Luiz de Souza Saretto Filho, que denunciou registrou boletim de ocorrência. Após as investigações, a Polícia Civil constatou que tudo não passava de uma farsa.

Ruana foi presa pela Polícia Civil do Mato Grosso. Embora tenha enviado as imagens para o próprio marido, na qual parecia ser mantida em cárcere privado, ela foi localizada conduzindo o próprio veículo em uma avenida da capital. A empresária foi autuada por falsa comunicação de crime e estelionato.

Na madrugada de quinta-feira, o marido de Ruana registrou o boletim de ocorrência na 1ª Delegacia de Várzea Grande. Segundo o relato, eles estavam em uma festa no bairro Nova Várzea Grande. A empresária disse que iria até uma distribuidora de bebidas conduzindo sua caminhonete e não retornou.

A Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) iniciou a apuração da ocorrência como um possível caso de sequestro. De acordo com a Polícia Civil, a localização da caminhonete foi constatada no final da manhã. Estava na região do Coxipó, distrito da região. O veículo foi encontrado por equipes da unidade, sem a placa traseira, e era conduzido pela suposta vítima de sequestro.

Durante o interrogatório, a empresária confessou o crime e alegou ter forjado o próprio sequestro e o roubo do carro. Segundo o delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, ela contou que o objetivo inicial era vender o veículo no mercado clandestino, para depois receber o valor do veículo pela seguradora.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos