Mercado fechará em 3 h 50 min
  • BOVESPA

    130.811,13
    +1.370,10 (+1,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.206,85
    -79,61 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,47
    +0,56 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.866,50
    -13,10 (-0,70%)
     
  • BTC-USD

    40.538,72
    +4.445,09 (+12,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.012,70
    +43,86 (+4,53%)
     
  • S&P500

    4.238,04
    -9,40 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    34.261,19
    -218,41 (-0,63%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.039,50
    +45,25 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1350
    -0,0576 (-0,93%)
     

Empregos em TIC crescem 300% no primeiro trimestre, diz estudo da Brasscom

·2 minuto de leitura
Empregos em TIC crescem 300% no primeiro trimestre, diz estudo da Brasscom
Empregos em TIC crescem 300% no primeiro trimestre, diz estudo da Brasscom

Os setores de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) estão vivenciando um dos melhores momentos da história no Brasil: foram abertos 52.743 novos empregos somente nos três primeiros meses de 2021. O crescimento é de 300% em comparação ao mesmo período do ano passado, quando houve a abertura de 17 mil vagas. Trata-se de um excelente indicador para o setor de tecnologia.

É o que mostra o relatório intitulado “Monitor de Empregos e Salários”, produzido pela Associação das empresas do segmento (Brasscom). O saldo já se aproxima do número de empregos gerados ao longo de 2020 no macrossetor, sendo amplamente comemorado por profissionais de TIC.

Variação positiva

O relatório da Brascom faz um acompanhamento mensal do mercado de trabalho e revela que houve uma variação positiva de 3,3% nos empregos gerados, com cerca de 1,6 milhão de pessoas ingressando no mercado.

O dado é extremamente significativo em comparação a outros setores da economia brasileira, que tiveram um tímido avanço de vagas ocupadas de 1,8%, principalmente em razão da crise imposta pela pandemia do novo coronavírus.

O crescimento no número de vagas abertas em TIC é 300% maior em comparação ao mesmo período do ano passado. Imagem: <a href="https://www.shutterstock.com/pt/g/cavanimages" rel="nofollow noopener" target="_blank" data-ylk="slk:Cavan-Images" class="link rapid-noclick-resp">Cavan-Images</a> / Shutterstock
O crescimento no número de vagas abertas em TIC é 300% maior em comparação ao mesmo período do ano passado. Imagem: Cavan-Images / Shutterstock

Boom online

O bom cenário é consequência do boom do mercado digital e de automação nas empresas por conta da necessidade de isolamento social e foco no home office. Muitas empresas começaram a investir em segurança online e também em e-commerces, aumentando a necessidade de profissionais de TI e de tecnologia da comunicação.

Leia mais:

No entanto, a área de TIC já vem tendo bons resultados nos últimos anos ao comparada com outros segmentos da economia, gerando um número bem maior de vagas.

Apesar do bom cenário, o estudo aponta que as empresas de TIC ainda enfrentam um sério déficit. Para suprir a necessidade do setor, a Brasscom revela que deveriam ser contratados uma média de 70 mil profissionais por ano de 2019 a 2024.

Ausência de mão de obra qualificada

O que explica a demanda reprimida é justamente a falta de colaboradores capacitados, mesmo com os altos salários no segmento. Ao contrário da média salarial de R$ 1.945, os profissionais de Tecnologia da Informação e Comunicação têm um rendimento inicial de R$ 4.792.

Serviços de alto valor agregado e software chegam a pagar até três vezes mais, ou seja, a média nacional fica em torno de R$ 5.628.