Mercado fechará em 2 h 59 min
  • BOVESPA

    107.594,50
    -3.844,87 (-3,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.758,09
    -549,62 (-1,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,48
    -1,49 (-2,07%)
     
  • OURO

    1.762,40
    +11,00 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    43.872,06
    -3.685,90 (-7,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.097,21
    -37,17 (-3,28%)
     
  • S&P500

    4.334,20
    -98,79 (-2,23%)
     
  • DOW JONES

    33.821,88
    -763,00 (-2,21%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.941,75
    -384,25 (-2,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2791
    +0,0797 (+1,29%)
     

Empregadas domésticas foram demitidas em massa no Brasil na pandemia

·1 minuto de leitura
Trabalhadoras domésticas foram demitidas em massa na pandemia, no Brasil. (Foto: Getty Images)
Trabalhadoras domésticas foram demitidas em massa na pandemia, no Brasil. (Foto: Getty Images)
  • Segundo a OIT, no início da pandemia, foram demitidas 26,6% das trabalhadoras domésticas brasileiras.

  • Piora a situação o fato de que muitas delas trabalham de forma informal, sem proteções trabalhistas.

  • Ainda de acordo com a OIT, o número de horas trabalhadas por essas profissionais caiu 43% nesse mesmo período, e a perda salarial foi em média de 34%.

A pandemia do novo coronavírus deixou quase nenhum setor da economia intocado, provocando encolhimentos e demissões. Mas um setor foi especialmente afetado no Brasil: o de trabalhadoras domésticas.

Leia também:

Um estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) repercutido pelo jornal Valor Econômico nesta semana mostra a realidade dessa categoria, em um cenário de crise causado pela pandemia da Covid-19.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Segundo a OIT, o Brasil é hoje o segundo país com maior número de empregadas domésticas, com 6.276.316 profissionais em 2019, atrás apenas da China, que possui 22.012.023 trabalhadoras.

Mas, entre o final de 2019 e o segundo trimestre de 2020, momento da chegada da pandemia ao Brasil, segundo a OIT, foram demitidas 26,6% desse total de trabalhadoras domésticas brasileiras. Piora a situação o fato de que muitas delas trabalham de forma informal, sem proteções trabalhistas.

Ainda de acordo com a OIT, o número de horas trabalhadas por essas profissionais caiu 43% nesse mesmo período, e a perda salarial foi em média de 34%.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos