Mercado abrirá em 1 h 18 min
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,29
    +1,09 (+0,95%)
     
  • OURO

    1.829,60
    +15,60 (+0,86%)
     
  • BTC-USD

    30.318,82
    +307,85 (+1,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    681,80
    +439,12 (+180,95%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.529,16
    +64,36 (+0,86%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    26.659,75
    +112,70 (+0,42%)
     
  • NASDAQ

    12.496,75
    +252,00 (+2,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3179
    +0,0374 (+0,71%)
     

Empreendedores faturam R$ 10 milhões com marca de beleza e cuidados masculinos

·2 min de leitura
Empreendedores enxergaram carência no setor de 'men care' brasileiro. Foto: Getty Images.
Empreendedores enxergaram carência no setor de 'men care' brasileiro. Foto: Getty Images.
  • Dois empreendedores criaram a 'Dr. Jones' após perceberem a carência de 'men care' no Brasil;

  • A empresa de beleza e cuidados masculinos faturou R$ 10 milhões em 2021;

  • Uma das táticas da empresa foi manter contato direto com as necessidades do público.

De acordo com a Euromonitor, empresa de pesquisa de mercado, as vendas no setor de beleza e cuidados masculinos cresceram 70% no Brasil entre 2012 e 2017, movimentando R$ 19,8 bilhões.

Além disso, o Brasil é o segundo maior mercado de 'men care' do mundo, estando atrás apenas dos Estados Unidos.

Nesse contexto, os sócios Andre Papoutchi e Guilherme Campos desenvolveram a ‘Dr. Jones’ em 2013, levantaram cerca de R$ 11,5 milhões em aportes até agora. Em 2021, o negócio faturou R$ 10 milhões.

A união dos dois empreendedores, que se conheceram na faculdade, aconteceu mais pelo reconhecimento ético e profissional mútuo do que por amizade.

Leia também:

Enxergando a popularização do setor de 'men care' nos Estados Unidos, e vendo a crescente onda de barbearias, a dupla investiu no conceito dentro do Brasil.

Os sócios perceberam que nas grandes farmácias e perfumarias norte-americanas a quantidade de produtos da área estava distribuída entre diversas marcas, das independentes às tradicionais.

Enquanto isso, o Brasil continha três grandes marcas, repartidas apenas nas frentes de desodorante, shampoo e barba.

Depois de estudar a carência do mercado e suas possibilidades, a dupla começou a ‘Dr. Jones’ em 2013, seguindo um modelo de operação e divulgação tradicionais.

Contudo, a tática se apresentou inconciliável com o que o consumidor e os sócios, de fato, queriam, ou seja, informação.

Desse modo, o negócio procurou se fortalecer online por meio de parceiros e plataformas como Amazon, Submarino e Beleza na Web, chegando a estar presente em 30 sites.

Porém, a dupla se sentia insatisfeita com o resultado, já que a marca não estava sendo desenvolvida e o varejo busca apenas a venda irrefletida. Os dois sócios perceberam que o contato com público havia diminuído nesse processo.

Assim sendo, em 2019, a ‘Dr. Jones’ saiu dos e-commerces e do varejo físico para focar em seus próprios canais de venda, começando com o digital.

Durante esse período, a empresa recebeu o primeiro aporte, de R$ 1,5 milhão, da Astella Venture Capital. O dinheiro foi usado para o estabelecer o novo modelo de negócio.

A marca teve crescimento de 30% em 2020, captando mais R$ 6 milhões da Igah Ventures. No primeiro ano, a ‘Dr. Jones’ faturou R$ 3,2 milhões.

Em 2021, com mais um investimento de R$ 4 milhões da mesma gestora, a empresa alcançou R$ 10 milhões.

As informações são do Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos