Mercado abrirá em 4 h 15 min
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,53
    -1,55 (-2,35%)
     
  • OURO

    1.815,50
    -7,30 (-0,40%)
     
  • BTC-USD

    50.357,15
    -6.441,27 (-11,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.370,32
    -193,51 (-12,37%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    6.834,14
    -170,49 (-2,43%)
     
  • HANG SENG

    27.718,67
    -512,37 (-1,81%)
     
  • NIKKEI

    27.448,01
    -699,50 (-2,49%)
     
  • NASDAQ

    12.946,75
    -51,75 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4178
    +0,0123 (+0,19%)
     

Empiricus vira alvo de representação no MPF por propaganda enganosa

Redação Finanças
·3 minuto de leitura
Empiricus é a empresa da Bettina, que anunciou ter transformado R$ 1,5 em R$ 1 milhão em três anos (Divulgação)
Empiricus é a empresa daquela propaganda da Bettina, que anunciou ter transformado R$ 1,5 em R$ 1 milhão em três anos (Divulgação)
  • Procurador entrou com ação no MPF contra Empiricus por publicidade de investimento em criptomoedas

  • Segundo o procurador, empresa fez propaganda enganosa e prática abusiva

  • Empresa já foi investigada pela Comissão de Valores Mobiliários e multada pelo Procon anteriormente

Uma campanha publicitária da Empiricus sobre investimento em criptomoedas virou alvo de uma representação no Ministério Público Federal na última segunda-feira (12). O procurador Alexandre Senra alega que a empresa pode ter feito propaganda enganosa e prática abusiva com o intuito de atrair mais clientes. As informações são do Portal do Bitcoin.

Leia também:

Segundo Senra, e companhia usa informações falsas na peça publicitária e não informa os riscos do mercado de criptomoedas. “Pelo contrário, a maneira como (a campanha) é enunciada, leva o consumidor, sobretudo aquele menos familiarizado com este mercado, a acreditar que o risco a ser assumido não envolve a concreta possibilidade de perda substancial do capital investido”, explica o procurador.

Essa empresa é aquela da Bettina, que apareceu em um comercial dizendo ter transformado R$ 1,5 mil em R$ 1 milhão em apenas três anos. O que rendeu memes, mas também investigações da CVM (Comissão de Valores Imobiliários) e multa do Procon.

A Empiricus afirmou que “segue rigorosamente as regras por eles estabelecidas bem como pelo Código de Defesa do Consumidor”. Segundo a empresa, a “campanha publicitária citada está em conformidade e será objeto de manifestação oportuna pela Empiricus no âmbito da representação”.

A companhia também afirmou que há quatro avisos sobre riscos e diversificação de ativos e que o “conteúdo comercializado por meio da campanha é reconhecido pelo mercado por sua qualidade e liderado por um dos maiores especialistas em criptomoedas do Brasil”.

'Fenômeno Cripto'

A propaganda do evento online “Fenômeno Cripto”, que estava previsto para acontecer em 14 de março, dizia que ao ter acesso ao chamado “Exponencial Coins” o cliente ia “ter a chance de conseguir lucros incríveis investindo em criptomoedas”. Além disso, segundo a empresa, era a “maior oportunidade de fazer fortuna”.

A assinatura era de 12 meses, com vídeos, publicações e guias sobre o mercado de criptomoedas, por um preço de 12 vezes de R$ 150 ou à vista com 10% de desconto. Além disso, a empresa oferecia de brinde um lote com três unidades de criptomoedas não informadas. 

Entretanto, segundo o procurador, a campanha e o presente não condiziam com a realidade. “A informação também é parcialmente falsa. O alardeado presente que a Empiricus teria para quem se inscrevesse, consistente em um lote da (milagrosa) moeda padece de uma severa restrição, inicialmente ocultada: será dado apenas a 300 (trezentas) pessoas, equivalentes, já na data de hoje, a menos de 2,5% dos inscritos no evento”, afirmou.

Ainda sobre o brinde, Senra diz que a Empiricus “vale-se da isca do lote grátis de moeda para, prevalecendo-se da ignorância do consumidor, impingir-lhe a assinatura da série ‘Exponential Coins’.