Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.620,79
    +644,77 (+1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Emocional se torna caminho para Pia Sundhage ajustar Seleção feminina na luta pelo ouro olímpico

·2 minuto de leitura


A reafirmação de que Bárbara seguirá como titular da Seleção feminina é só um dos sinais de como a técnica Pia Sundhage luta para dar confiança às suas comandadas. Prestes ao Brasil encarar Zâmbia, nesta terça-feira (27), às 8h30 (de Brasília), pelo Grupo F, no Estádio Saitama, fica nítida a maneira como a sueca vem trazendo mudanças nas atitudes das jogadoras que estão lutando pelo ouro nos Jogos Olímpicos.

> Faça a simulação para saber quem o Brasil pode encarar nas quartas!

- A parte psicológica é uma ferramenta e um setor muito importante para o sucesso de qualquer seleção. Pia e Lilie (Persson, auxiliar) sempre pensam nisso, na linguagem corporal, no que mostramos ao adversário, elas acreditam muito que a parte psicológica é essencial. Temos feito um trabalho com a Lilie aqui em que ela imagina um jogo de várias situações. Se a gente estiver ganhando, se o time empata, se estivermos perdendo, como vamos reagir? Entramos no jogo muito mais preparadas para qualquer cenário que possa acontecer e acho que isso tem ajudado - destacou a zagueira Rafaelle.


Isto inclui não atribuir erro à goleira Bárbara no segundo gol holandês. A defensora, que considerou a jogada mérito da Holanda, ressalta que a união das Guerreiras abre mais brechas para as Guerreiras chegarem às vitórias.

- Acredito muito nas meninas e acho que essa fé que temos uma na outra, esse apoio que temos da comissão, nos dá muita força e tranquilidade para fazer um bom trabalho - disse.

As agruras ofensivas, que chegaram a aparecer em alguns momentos da vitória por 5 a 0 sobre a China e foram refletidas no 3 a 3 com a Holanda, surgem como uma aresta a ser aparada. No entanto, a técnica Pia Sundhage evidencia o poder de reação que as jogadoras vêm demonstrando.

- Seguimos da forma que jogamos, marcando gols. O ataque foi muito bom, lembro que jogamos contra o segundo melhor time do mundo, que é a Holanda. Mantivemos a posse e, mesmo com os gols sofridos, fico feliz com a forma como conduzimos a bola. Soubemos controlar muitas situações - e projetou para o duelo com Zâmbia:

- Continuamos melhorando nossa defesa. Olhando para a frente, isso é muito importante - complementou.

Uma forma de ajudar a ajeitar a casa é a parte emocional. A treinadora enumerou alguns caminhos pelos quais tenta garantir força da Seleção feminina.

- Tentamos fazer algumas ações em cima da palavra “juntas”, e a música é um ótimo meio para isso. Podemos tocar samba e encorajá-las a aproveitar a jornada, isso é importante, mas também mostramos a elas imagens positivas. Um aspecto de sua autoconfiança é acreditar em algo, e nós realmente acreditamos nesse time - garantiu.

Na luta por uma afinação ainda maior, a Seleção tenta nesta terça-feira (27) carimbar a vaga diante de Zâmbia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos