Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.648,03
    +853,70 (+2,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Emissões de títulos devem seguir em alta em mercados emergentes

Sydney Maki
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- As emissões de títulos em moeda forte por mercados emergentes caminham para outro grande ano em 2021, enquanto governos e empresas tentam retomar o crescimento, embora provavelmente fique aquém do recorde da pandemia deste ano.

Os governos devem captar altas quantias pelo segundo ano para financiar medidas de saúde e alívio da pobreza, ao mesmo tempo que impulsionam o investimento necessário para reaquecer as economias. As empresas tomarão empréstimos para lucrar com esse crescimento renovado, com uma política monetária frouxa fornecendo a liquidez de que precisam.

“Nossa previsão pressupõe que as condições de financiamento continuarão a apoiar tanto grau de investimento quanto alto rendimento”, disseram estrategistas do Goldman Sachs, incluindo Kamakshya Trivedi, Caesar Maasry, Danny Suwanapruti e Sara Grut, em relatório no início deste mês. Mas “as necessidades de financiamento diminuem à medida que a recuperação cíclica se instala”.

Governos e empresas de economias em desenvolvimento venderam US$ 757,1 bilhões em títulos denominados em dólares ou euros em 2020, o maior volume em mais de duas décadas de dados compilados pela Bloomberg. No início de novembro, os mercados emergentes já haviam superado as vendas totais do ano passado.

Líderes

Governos e empresas com grau de investimento responderam por cerca de 70% das vendas de dívidas em dólares e euros de mercados emergentes neste ano, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. No ano anterior, emissões de títulos com grau de investimento foram responsáveis por cerca de 60%, à medida que mais emissores de risco chegavam ao mercado.

Os governos do México, Israel e Abu Dhabi foram os maiores emissores de dívidas em euros e dólares nos mercados em desenvolvimento. Empresas financeiras foram responsáveis pela segunda maior parcela dos novos títulos, de acordo com os números da Bloomberg.

Próximo ano

No pipeline para o próximo ano, autoridades da Indonésia disseram que planejam vendas em dólares, ienes e euros. O Uzbequistão pode colocar US$ 700 milhões em eurobônus, e o Egito já abordou bancos para uma oferta de US$ 7 bilhões no primeiro semestre. A agência de dívida da Eslováquia disse que pode captar até 4 bilhões de euros no mercado internacional. E, na América Latina, o presidente da Bolívia propôs acessar os mercados globais para captar US$ 3 bilhões no próximo ano, US$ 1 bilhão a mais do que o planejado por seu antecessor.

As vendas podem aumentar ainda mais na América Latina, uma vez que a região dá continuidade aos gastos de estímulo para recuperar os níveis de crescimento pré-vírus, de acordo com o Citigroup, o segundo maior subscritor da região neste ano.

O enfoque ambiental, social e de governança, ou ESG na sigla em inglês, deve aumentar em 2021 à medida que a pandemia destaca a importância das iniciativas sociais. Empresas e governos de mercados emergentes venderam um nível recorde de títulos focados em atender às necessidades humanas, como moradia, fome e saúde.

Chile, Hungria e Korea Housing Finance Corp. foram os maiores emissores no mundo emergente de títulos denominados em dólares e euros com o uso de recursos que apoiam objetivos verdes, sociais ou sustentáveis.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.