Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.950,74
    +1.559,65 (+3,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Emirados Árabes Unidos podem limitar preços de alguns alimentos

Agnieszka de Sousa
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os Emirados Árabes Unidos estudam controlar os preços de alguns alimentos diante da pressão global de produtos agrícolas.

O país do Golfo Pérsico poderia limitar os preços da carne de frango e do leite, disse Mariam Almheiri, ministra de estado para Segurança Alimentar e Hídrica.

Os preços globais dos alimentos subiram para o nível mais alto em seis anos no mês passado, de acordo com um índice das Nações Unidas. A alta foi puxada por culturas como milho e soja, que são amplamente usados para rações em fazendas. Isso aumenta a preocupação com a inflação de alimentos em países já sob pressão após o abalo das cadeias de suprimento causado pela pandemia de coronavírus.

“Estamos estudando isso com muito cuidado e podemos precisar de alguns ajustes”, disse Almheiri em entrevista, acrescentando que os controles poderiam ser aplicados tanto para produtos locais quanto importados.

A possível medida mostra que mesmo países ricos não estão imunes à inflação. Os Emirados Árabes Unidos, dominados pelo deserto e que importam 90% de seus alimentos, permitem que o Ministério da Economia controle os preços, embora tal medida seja rara.

Almheiri, que assumiu o ministério em 2017, trabalha para melhorar a segurança alimentar dos Emirados Árabes Unidos por meio de tecnologia, inovação e diversificação das fontes de importação. O país - uma federação de sete emirados, incluindo Dubai e Abu Dhabi - tem incentivado a produção local de alimentos e investido em agricultura com ambiente controlado, como estufas, aquicultura e agricultura vertical, disse a ministra.

“Estamos sendo inundados com muitos pedidos para começar a cultivar alimentos no deserto”, disse Almheiri. “Agora cultivamos mirtilos nos Emirados Árabes Unidos, quinoa, salmão.”

O país, que já é um centro de logística bem estabelecido para o comércio do Oriente Médio e global, pretende se tornar um grande centro de alimentos e tecnologia agrícola, disse a ministra. O governo é “muito aberto” para carnes cultivadas em laboratório ou à base de células e avalia quais regulamentações são necessárias para permitir a venda de tais produtos. Ela também quer reduzir a perda e o desperdício de alimentos em 15% até o fim do ano e pela metade até 2030, disse.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.