Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.836,34
    -423,41 (-0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.218,35
    -489,37 (-1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,56
    -1,29 (-3,24%)
     
  • OURO

    1.905,00
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    13.024,19
    -125,83 (-0,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,69
    -3,72 (-1,41%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.500,25
    -163,25 (-1,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6321
    -0,0318 (-0,48%)
     

Emirados Árabes reafirmam plano da Opep+ de reduzir cortes de produção em janeiro

Por Rania El Gamal e Shadia Nasralla
·1 minuto de leitura

Por Rania El Gamal e Shadia Nasralla

DUBAI/LONDRES (Reuters) - O ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos afirmou nesta terça-feira que os produtores de petróleo da Opep+ vão manter os planos de reduzir os cortes de oferta da commodity a partir de janeiro.

A Opep+, formada por membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados como a Rússia, tem reduzido produção desde janeiro de 2017, em uma tentativa de equilibrar o mercado, apoiar os preços e reduzir estoques.

Atualmente, os cortes de oferta atingem 7,7 milhões de barris por dia (bpd), depois de terem chegado a 9,7 milhões de bpd mais cedo neste ano.

"(Os cortes) serão reduzidos novamente no final deste ano, à medida que caminhamos para 2021... Nós acreditamos que esse seja o volume calculado para atender à demanda que está voltando", disse o ministro Suhail al-Mazrouei durante o Energy Intelligence Forum.

A Opep+ deve flexibilizar os cortes de produção em 2 milhões de bpd em janeiro.

Mazrouei disse estar mais otimista com a recuperação da demanda por petróleo do que a Agência Internacional de Energia, que afirmou nesta terça-feira que uma eventual recuperação econômica global lenta da pandemia poderia adiar para 2025 a retomada total da demanda.

O ministro disse que há sinais de recuperação na demanda por petróleo em países que suspenderam restrições relacionadas à Covid-19, destacando que a China já atingiu quase 90% dos níveis pré-pandemia.

(Reportagem de Rania El Gamal e Shadia Nasralla)