Mercado fechado

Emicida desabafa sobre racismo e desigualdade social: "Mais letal que o coronavírus"

O rapper colocou o dedo na ferida e foi elogiado na web (Foto: Reprodução/Globo)

Emicida comoveu o público em sua participação no programa do Faustão deste domingo (14). Na ocasião, o rapper deu uma verdadeira aula de sociologia ao comentar sobre racismo, desigualdade social, trabalho infantil, violência contra a mulher e, claro, o assunto do momento: coronavírus.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

Logo no início da conversa, o cantor afirmou que “a pandemia não é uma escolinha” para as pessoas entenderem que é importante ajudar os outros. “Por um lado, a gente enfrenta um vírus que se espalha muito rápido, mas que não tem uma letalidade tão grande, agora, o que é extremamente letal são os abismos sociais que a nossa sociedade produziu e finge que não existem”, defendeu ele.

Leia também

Ainda segundo o artista, todas as pessoas podem pegar Covid-19, mas nem todas podem se tratar por causa da desigualdade. E, embora algumas discussões estejam em alta, como a luta contra o racismo, Emicida acredita que ainda falta muito para que a gente se orgulhe quanto sociedade.

"O imaginário do brasileiro foi conduzido através de uma reflexão que faz ele acreditar que vive de fato numa democracia racial, quando isso não é verdade. E é por isso que uma nova geração emerge e traz à tona um discurso de que não, a gente não vive uma democracia racial, a gente vive um estado de desespero, de emergência, que quanto mais escura a cor da sua pele mais perigoso é", explicou.

Em seu discurso, Emicida citou os casos de George Floyd e o de Miguel, filho de uma doméstica que passeava com o cachorro da patroa na hora da tragédia. “Embora a discussão dos Estados Unidos seja válida participar, entender e se solidarizar, acho que a gente tem situações tão ou mais desesperadoras no território brasileiro que precisam fazer com que a gente se levante contra isso”, afirmou.

Pai de duas meninas, Teresa e Estela, o cantor disse que aprende todos os dias sobre a importância da luta das mulheres. Ele também aproveitou para falar sobre o seu novo trabalho, ‘Sementes’, canção que tenta conscientizar as pessoas acerca do trabalho infantil.

“Muitas pessoas estão sendo empurradas de maneira agressiva para as margens, tendo que se agarrar a qualquer coisa que apareça. Esse desespero está fazendo com que muitas famílias tenham que submeter crianças a jornadas de trabalho que são desgastantes, perigosas e insalubres até para os adultos", disse.

Nas redes sociais, o público elogiou o artista: