Mercado fechará em 1 h 52 min
  • BOVESPA

    111.887,94
    +2.170,00 (+1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.587,73
    +127,18 (+0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    92,45
    -1,89 (-2,00%)
     
  • OURO

    1.815,40
    +8,20 (+0,45%)
     
  • BTC-USD

    24.021,60
    -308,17 (-1,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    570,91
    -0,37 (-0,06%)
     
  • S&P500

    4.256,15
    +48,88 (+1,16%)
     
  • DOW JONES

    33.617,42
    +280,75 (+0,84%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.504,25
    +193,00 (+1,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1988
    -0,1249 (-2,35%)
     

Emenda dos Benefícios é negativa para crédito do Brasil, diz Moody's

SÃO PAULO (Reuters) - A recém-promulgada Emenda Constitucional dos Benefícios, que amplia e cria novos auxílios sociais apenas alguns meses antes das eleições presidenciais, com previsão de despesas fora do teto de gastos, é negativa para o crédito do Brasil, disse a agência de classificação de risco Moody's em relatório.

Com um impacto fiscal estimado de 41,25 bilhões de reais, a emenda promulgada na véspera institui estado de emergência para ampliar em 200 reais o Auxílio Emergencial, dobrar o valor ofertado como Auxílio Gás e criar "voucher-caminhoneiro" de 1 mil reais, além de prever benefício mensal voltado a taxistas.

"Sua aprovação é negativa para o crédito do Brasil porque o custo ampliado das transferências de renda aumentará os gastos do governo em 2022, e as repetidas exceções ao teto de gastos do país minam sua credibilidade fiscal", disse a Moody's em relatório com data de quinta-feira.

"Preocupações dos participantes do mercado sobre o compromisso das autoridades com a consolidação fiscal antes das eleições de outubro podem levar a um aumento do prêmio de risco geral do país", disse a agência, alertando que isso pode elevar o custo de carregamento da dívida, já sob pressão do patamar alto da taxa Selic --atualmente em 13,25% ao ano.

Uma medida comumente acompanhada do risco-país do Brasil fechou a quinta-feira em 325,48 pontos-base, nova máxima desde maio de 2020, refletindo tanto os riscos fiscais domésticos quando crescentes temores de recessão global.

A Moody's espera que a dívida bruta do Brasil encerre este ano em 81,3% do Produto Interno Bruto (PIB), contra 80,3% do PIB em 2021.

A nota de crédito soberano de longo prazo em moeda estrangeira do Brasil da Moody's está atualmente em "Ba2" --no chamado grau especulativo, atribuído a países vistos pela agência com maior risco de crédito. A perspectiva para a nota soberana --que indica provável alterações no "rating" no médio prazo-- é estável.

(Por Luana Maria Benedito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos