Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.893,32
    -1.682,15 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.778,87
    +104,57 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,06
    -0,47 (-1,03%)
     
  • OURO

    1.779,90
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    19.440,45
    +31,43 (+0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,09
    +17,50 (+4,80%)
     
  • S&P500

    3.621,63
    -16,72 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    29.638,64
    -271,73 (-0,91%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.433,62
    -211,09 (-0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.319,25
    +61,75 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3612
    -0,0134 (-0,21%)
     

Embrapa registra 1.200 adesões a plano de demissão e anuncia metas até 2030

Por Roberto Samora
·3 minuto de leitura

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) concluiu neste ano um plano de demissão incentivada que teve a adesão de cerca de 1.200 funcionários, em meio a um programa de reestruturação da estatal que inclui metas para ampliar sistemas produtivos sustentáveis, disse o presidente da companhia nesta quarta-feira.

Segundo Celso Moretti, a adesão ao plano de demissões desses 1.200 funcionários permitirá uma economia de 250 milhões de reais por ano para a empresa. Ele não falou no total gasto com o programa.

Além disso, em entrevista coletiva na internet para anunciar o novo Plano Diretor da Embrapa, ele afirmou que a companhia fechou 14 dos 16 escritórios de negócios espalhados pelo país, porque grande parte já não cumpria os objetivos propostos. A empresa também eliminou 41 cargos comissionados, completou.

Moretti mencionou que a Embrapa conta com 8.200 colaboradores, dos quais 2.200 pesquisadores.

Em meio a cortes no orçamento por conta da situação fiscal do governo, o presidente disse que a companhia está implementando um sistema de gestão integrada que vai "colocar a Embrapa em outro patamar".

"A Embrapa vai seguir entregando valor para sociedade, contribuindo para que a agricultura seja movida a ciência, mas ela está fazendo seu dever de casa, melhorando sua eficiência, seu trabalho organizacional", comentou.

Ele admitiu que as metas ligadas à gestão no plano até 2030 estão relacionadas à reestruturação que será realizada na empresa e também às mudanças já em andamento.

Ao mesmo tempo, Moretti afirmou que existe negociação com os ministérios da Agricultura e da Economia para a recomposição de algumas vagas de pesquisadores e analistas, mas acrescentou que até 2021 estão vedados concursos públicos que não estavam previstos.

"Vamos trabalhar para recompor a força em algumas unidades, mas estamos trabalhando para redistribuir a nossa força de trabalho. Algumas regiões estão bem aquinhoadas e em outras regiões temos déficit. A partir do ano que vem vamos começar a nos planejar para que, a partir de 2022, possamos pensar em fazer concursos", completou.

METAS SUSTENTÁVEIS

Ele citou que, considerando as metas da Embrapa relacionadas à mitigação de mudanças do clima, a companhia tem o objetivo de colaborar para, até 2025, ampliar em 10 milhões de hectares o uso de sistemas integrados de recuperação de pastagens no Brasil, "contribuindo para mitigação de 60 milhões de CO2 equivalente".

"Há 30 anos a Embrapa trabalha com sistemas de integração de lavoura-pecuária-floresta. A nossa ideia é que com o avanço dessa tecnologia e incorporação de novas áreas de pastagens, sobretudo pastagens degradadas... (possamos) levar o Brasil a ter mais 10 milhões de hectares em sistemas integrados", afirmou.

O Brasil já desenvolve esses sistemas integrados em cerca de 17 milhões de hectares, citou o presidente da Embrapa.

Outro objetivo da empresa é, até 2025, incrementar em 20% o benefício econômico gerado por práticas agropecuárias e tecnologias sustentáveis desenvolvidas pela companhia e parceiros.

"Desde a década de 90 a Embrapa vem trabalhando com bioinsumos, a fixação biológica de nitrogênio é o grande exemplo. Ano passado o produtor brasileiro deixou de gastar 22 bilhões de reais em adubos nitrogenados...", disse ele, citando técnicas que permitem que fixação no solo de nitrogênio da atmosfera.

A companhia também quer aumentar a receita com o licenciamento de produtos, que hoje gira em torno de 35 milhões a 40 milhões de reais.

"Pretendemos aumentar a receita fazendo ajustes no modelo de negócios", disse ele, observando que atualmente a Embrapa recebe royalties das tecnologias, mas que a mudança passa por formar sociedades de propósito específico com sócios, para a divisão de riscos e lucros.

Entretanto, o presidente admitiu que algumas metas podem ficar comprometidas se a Embrapa tiver "restrições orçamentárias sérias".

"Estamos trabalhando para recompor o orçamento da Embrapa, temos tido reuniões semanais com a ministra Tereza Cristina (Agricultura) e tenho fé que consigamos recompor o orçamento para que consigamos realizar as entregas que nos comprometemos", declarou, sem detalhar valores.