Mercado fechará em 3 h 23 min
  • BOVESPA

    115.420,28
    -247,50 (-0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.364,54
    +213,16 (+0,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,56
    +0,34 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.778,10
    -19,80 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    51.182,99
    +1.919,54 (+3,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.024,44
    +29,78 (+2,99%)
     
  • S&P500

    3.883,78
    -41,65 (-1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.752,18
    -209,68 (-0,66%)
     
  • FTSE

    6.663,77
    +4,80 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.117,00
    -185,00 (-1,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6991
    +0,1286 (+1,96%)
     

Embaixador do Brasil nos EUA se diz honrado em comparecer a posse de Biden

Lisandra Paraguassu
·2 minuto de leitura
Presidente dos EUA, Joe Biden, assina documentos durante posse em Washington

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - Escolhido para o cargo pelo seu alinhamento com a ideologia bolsonarista e simpatia pelo ex-presidente norte-americano Donald Trump, o embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Nestor Foster, disse em sua conta no Twitter nesta quarta-feira estar honrado em comparecer à posse do presidente dos EUA, Joe Biden, e declarou-se "muito animado" para trabalhar com a nova gestão.

Foster publicou uma foto sua em frente ao Capitólio, no local reservado a convidados, inclusive representantes das embaixadas. Na publicação, marcou Biden, sua vice, Kamala Harris, e o ex-Secretário de Estado John Kerry, figura central na campanha de Biden.

Desde a confirmação da eleição de Biden, o embaixador passou a tentar uma aproximação com a equipe do democrata, através de parlamentares com quem Foster já tinha contatos.

Ao mesmo tempo, no entanto, o presidente Jair Bolsonaro mantinha os questionamentos a eleição de Biden e repetia o discurso trumpista que alega falsamente a existência de fraude nas eleições norte-americanas.

Mesmo depois de ter cumprimentado Biden pela eleição --um dos últimos chefes de Estado a fazê-lo, 38 dias depois do pleito-- Bolsonaro continuou ecoando Trump e há pouco mais de duas semanas repetiu a apoiadores que acreditava em fraude na eleição nos EUA.

Mas, para além das questões políticas, que pouca repercussão tem entre os norte-americanos, outras posições brasileiras foram alvo direto de críticas de Biden desde a campanha. O democrata já ameaçou impor sanções ao Brasil pelo desmatamento na Amazônia e deve ter um postura ambiental muito mais dura do que seu antecessor.

O receio do impacto que essa postura possa ter nos negócios brasileiros levou parte do governo a tentar abrir pontes com os democratas. Chegou a circular a possibilidade de Foster, que foi confirmado apenas no ano passado como embaixador, ser substituído, mas a ideia não agrada Bolsonaro.

Até o momento, o Itamaraty conta com a ideia de que será possível contar com a profissionalismo da diplomacia norte-americana e também dos diplomatas brasileiros, em sua maioria, para abrir canais, mesmo que sem a proximidade que havia com Trump --e que, na verdade, rendeu poucos benefícios reais ao Brasil.