Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.621,40
    +1.583,36 (+2,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

EMA investiga vacina AstraZeneca por problemas em vasos sanguíneos

·1 minuto de leitura
(ARQUIVOS) Nesta foto de arquivo tirada em 19 de março de 2021, uma seringa e um frasco da vacina AstraZeneca contra Covid-19 estão retratados no Hospital San Giovanni Bosco em Torino.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) declarou nesta sexta-feira (9) que está investigando um possível vínculo da vacina anticovid da AstraZeneca com um problema raro de vasos sanguíneos, assim como uma eventual relação entre a vacina Johnson & Johnson e coágulos sanguíneos.

Após a detecção de trombose que gerou preocupações em torno da vacina da AstraZeneca, a EMA analisa agora cinco casos da chamada síndrome de extravasamento capilar, caracterizada por uma "supuração de fluido nos vasos sanguíneos, que causa edema capilar e queda da tensão arterial".

O regulador de medicamentos da União Europeia afirmou também nesta sexta que iniciou uma análise de possíveis vínculos entre a vacina contra o coronavírus da Johnson & Johnson e coágulos sanguíneos após a informação de quatro casos, um deles mortal.

"Foram notificados quatro casos graves de coágulos sanguíneos raros com um nível baixo de plaquetas depois da vacinação com a vacina Janssen contra a covid-19 ", disse a EMA, referindo-se à filial europeia da gigante farmacêutica americana J&J.

"Ainda não está claro se existe uma relação de causa" entre a administração das duas vacinas e os efeitos colaterais citados, reiterou a EMA.

A EMA afirma que após analisar os dados relacioandos a esses possíveis efeitos colaterais da AstraZeneca e J&J, vai "decidir se é necessário adotar medidas regulatórias", que geralmente consistem em adicionar notificações sobre esses efeitos.

dk/jhe/har/me/eg/aa