Mercado abrirá em 4 h 5 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,29
    -0,10 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.882,10
    +2,90 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    13.163,34
    -78,62 (-0,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,61
    -12,08 (-4,43%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.578,02
    -130,78 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.227,00
    +94,25 (+0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7368
    +0,0024 (+0,04%)
     

Em vitória do governo, STF mantém cobrança de contribuição para Sebrae, Apex e ABDI

·2 minutos de leitura
.
.

BRASÍLIA (Reuters) - O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve nesta quarta-feira a cobrança da contribuição sobre a folha de salário das empresas destinada ao Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), à Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) e à Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), numa vitória para essas instituições e para o próprio governo federal.

Em julgamento comandado pelo novo presidente da corte, Luiz Fux, a maioria dos ministros do STF considerou legal a cobrança de 0,3% da Contribuição de Domínio Econômico (Cide) sobre a folha, que representa importante fonte de custeio dessas entidades. A incidência chega a 0,6% para empresas que precisam contribuir para duas entidades.

A decisão também traz alívio para as contas do governo, que temia uma derrota no Supremo. No anexo de riscos fiscais da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2021, o impacto negativo com a eventual mudança no modelo de financiamento --que repercutiria nos cofres da União-- era estimado em 7 bilhões de reais e, em cinco anos, 31,8 bilhões de reais.

Foram seis votos na linha de manter a exigência da contribuição: Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Roberto Barroso, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e o presidente do STF, Luiz Fux. Manifestaram-se contrariamente a relatora do processo, Rosa Weber, e os ministros Edson Fachin, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello.

Essa foi a primeira vitória do governo em matéria de interesse fiscal na gestão de Fux.

Em notas, as entidades elogiaram a decisão do STF, destacando a atuação delas em meio à pandemia de Covid-19.

O Sebrae disse que o Supremo não apenas confirmou "a constitucionalidade da referida contribuição sobre a folha, mas sobretudo a importância da continuidade dos serviços prestados para 99% dos negócios brasileiros, que representam 30% do PIB e 54% dos empregos formais no país".

"O STF não só aceitou a nossa tese, como também reconheceu a importância da Apex-Brasil para o crescimento do país", comemorou o presidente da Apex, Sergio Segovia, em nota.

"A decisão do STF ratifica todo esse trabalho e permite a continuidade de programas e serviços de extrema importância para o país, principalmente frente ao desafio de retomada econômica pós-pandemia", disse a ABDI em comunicado.

(Reportagem de Ricardo Brito)