Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.675,33
    -610,27 (-0,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.634,60
    +290,49 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,40
    -0,22 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.832,70
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    39.910,82
    +132,47 (+0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    945,66
    +15,30 (+1,64%)
     
  • S&P500

    4.419,15
    +18,51 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    35.084,53
    +153,60 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.078,42
    +61,79 (+0,88%)
     
  • HANG SENG

    26.315,32
    +841,44 (+3,30%)
     
  • NIKKEI

    27.590,22
    -192,20 (-0,69%)
     
  • NASDAQ

    14.854,75
    -183,00 (-1,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0228
    -0,0177 (-0,29%)
     

Em SP, pesquisa revela que medicamento da Pfizer reduz em 37% o risco de morte ou de insuficiência respiratória pela Covid-19

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO - Um estudo feito no Hospital Israelita Albert Einstein apontam que medicamento tofacitinibe pode reduzir em 37% a chance de morte ou piora dos quadros de insuficiência respiratória provocados pelainfecção pulmonar provocada pela Covid-19.

A pesquisa foi realizada pelo Einstein em parceria com a Pfizer, responsável pela produção do medicamento tofacitinibe, que é indicado para o tratamento da artrite reumatoide, artrite psoriásica e retocolite ulcerativa.

O estudo foi realizado em um grupo de 289 pacientes adultos internados em 15 centros de tratamento espalhados por todo o país.

De acordo com o hospital Albert Einstein, o trabalho foi publicado nesta quarta-feira pela The New England Journal of Medicine, a revista médica de maior impacto do mundo, e apresenta evidências de que a medicação pode se transformar em recurso relevante contra a doença.

“As respostas de nosso estudo indicam que a utilização do medicamento, quando associado ao tratamento padrão reduz o risco de morte ou de insuficiência respiratória em pacientes hospitalizados com pneumonia por COVID-19 que ainda não estão necessitando de ventilação mecânica ou de ventilação não invasiva.”, afirma o médico Otavio Berwanger, M.D., Ph.D., Diretor da Academic Research Organization (ARO) do Einstein e Chair do Comitê Executivo do estudo. O médico ainda acrescentou:

“Além disto, este estudo representa mais uma prova de que o caminho para buscarmos soluções para esta pandemia e por meio da ciência séria, colaborativa e ética”. Eventos adversos severos foram, de maneira geral, semelhantes entre tofacitinibe e placebo”, completou o médico.

O Einstein ressalta que, ainda que o estudo seja promissor, o medicamento não foi aprovado ou autorizado para uso por nenhuma agência regulatória do mundo para o tratamento de Covid-19, uma vez que o estudo agora publicado é o primeiro randomizado multicêntrico a avaliar seu impacto no tratamento da doença.

Segundo o hospital, a eventual utilização do medicamento no arsenal anti-Covid dependerá de "extensa avaliação de dados por parte dos órgãos reguladores e autoridades de saúde".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos