Mercado fechado

Em SP, educação estadual juntará 2020 e 2021 como único ciclo, diz secretário

·2 minutos de leitura
Governor João Doria announces new measures to intensify the fight against the new coronavirus (Covid-19) in the State of São Paulo, this Monday, October 5, 2020 at the Palácio dos Bandeirantes in the neighborhood of Morumbi, south zone of São Paulo, Brazil. In the photo, the Secretary of Education, Rossieli Soares. (Photo: Aloisio Mauricio/Fotoarena/Sipa USA)(Sipa via AP Images)
Rossieli Soares, secretário de Educação de São Paulo, não considera baixa a adesão de escolas estaduais à reabertura (Foto: Aloisio Mauricio/Fotoarena/Sipa USA/ Sipa via AP Images)

O secretário de Educação de São Paulo, Rossieli Soares, afirmou que a rede de ensino estadual vai trabalhar o ano letivo de 2020 e 2021 como um único ciclo.

Em entrevista à GloboNews, Rossieli afirmou que será “como se fosse um ano só”. “Especialmente para esses alunos que já entregaram as atividades e estão entregando”, explicou. A metodologia será aplicada a alunos que foram aprovados, mas ainda não há detalhes sobre a metodologia.

"Obviamente nós não defendemos a reprovação pela reprovação, esse é um ano muito atípico, especialmente para os alunos que têm menos condições, que não conseguiram acompanhar as aulas online. Por isso que nós vamos fazer um grande processo de busca ativa para aqueles que porventura não tenham conseguido entregar as atividades. Para esses, vamos dar a oportunidade ao máximo de tempo possível", disse.

Em julho, o Conselho Nacional de Educação recomendou que as escolas evitassem reprovar alunos.

Leia também

A expectativa é que, nos próximos dias, o governo do estado de São Paulo defina com deve ser feita a aprovação escolas dos alunos da rede pública.

Na próxima quarta-feira, 7, alunos de escolas públicas e privadas da capital paulista poderão reabrir para atividades extracurriculares. No entanto, apenas 100 instituições da rede estadual decidiriam abrir. Sobre o assunto, Rossieli Soares opinou que a adesão não é baixa.

“Primeiro porque a gente tem dito para a gente voltar com tranquilidade, quando a comunidade estiver mais preparada, a escola tem que estar absolutamente toda preparada, não pode ser um processo de volta a qualquer custo, de qualquer jeito, nós não defendemos isso, pelo contrário, queremos todos os cuidados”, disse.