Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,64
    +0,36 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.844,80
    +14,60 (+0,80%)
     
  • BTC-USD

    19.472,78
    +523,88 (+2,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,69
    +8,28 (+2,21%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.488,25
    +34,00 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2370
    -0,0828 (-1,31%)
     

Em situação delicada, Botafogo enfrenta Fortaleza no Nilton Santos sem poder mais errar

Extra
·2 minuto de leitura
Foto: Luiza Moraes / Agência O Globo
Foto: Luiza Moraes / Agência O Globo

O Botafogo está numa situação no Campeonato Brasileiro que não lhe permite mais vacilar em casa. Por isso, o confronto com o Fortaleza hoje , às 18h15, no Estádio Nilton Santos não representa apenas três pontos na tabela. Mas o próprio futuro do Alvinegro na competição.

Sem vencer há cinco jogos — três derrotas e dois empates —, o Botafogo está na penúltima posição — à frente apenas do Goiás. Lugar que chegou pela incapacidade de resolver seus jogos até aqui.

Qualquer que seja o resultado final de hoje, o Botafogo permanecerá na zona de rebaixamento. A vitória, no entanto, será capaz de dar algum vislumbre do que o time ainda pode fazer na competição. Até o fim dela, em fevereiro, serão oito partidas no Nilton Santos. Caso vença todas, o Alvinegro alcançaria 44 pontos, pontuação que, por enquanto, não é garantia de permanência na Série A, mas pode chegar perto.

No momento, o Botafogo tem 64% de risco de rebaixamento, segundo o site “Infobola”. Reduzir esse percentual passa por vitórias e gols. Algo que o time tem tido dificuldades ao longo do campeonato. O baixo poder de fogo o coloca entre os que menos balançaram as redes.

A diretoria do clube tentou reforços para o setor até as últimas horas antes do encerramento da janela de transferências, na sexta-feira passada. Um dos nomes procurados foi o de Jonas Toró, do São Paulo, que não foi liberado pelo Tricolor paulista, segundo o “ge”.

Para tentar mudar o quadro atual, o auxiliar técnico Emiliano Díaz, filho do técnico Ramón Díaz que ainda se recupera de cirurgia, usou a última semana de treinos a fim de conhecer melhor o elenco e aproveitar todas as suas valências.

Díaz já propôs alternativas táticas que possam dar uma nova cara ao time. Mas as baixas no Botafogo ainda são significativas, com cinco desfalques.

A vida não está nada fácil para o Botafogo.