Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.838,45
    +1.505,68 (+4,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Em revisão, Carrefour avalia venda de unidades internacionais

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Carrefour prepara uma revisão estratégica de suas operações internacionais, poucos meses depois do colapso das negociações para uma fusão da rede de supermercados francesa com a canadense Alimentation Couche-Tard.

A empresa planeja vender subsidiárias na Polônia e Taiwan, segundo artigo publicado na revista Challenges na quarta-feira, que não disse como obteve a informação.

O Carrefour “iniciou uma reflexão sobre a massa crítica de suas subsidiárias internacionais e possível consolidação futura, alianças ou movimentos de desinvestimento”, disse um porta-voz da varejista na quinta-feira, especificando que a revisão está em estágio inicial e nenhuma decisão foi tomada sobre qualquer venda.

O mercado de alimentos polonês é muito desafiador, com intensa competição, especialmente em mercadorias em geral. A Tesco, maior rede de supermercados britânica, concluiu a venda das operações na Polônia para a varejista dinamarquesa Salling Group este ano por cerca de 165 milhões de libras (US$ 230 milhões) para se concentrar no Reino Unido, seu principal mercado.

É improvável que a revisão cause grande impacto no Carrefour, escreveu Clive Black, analista da Shore Capital Markets, por e-mail. “Trata-se de mostrar que o Carrefour está ativo para a atividade mais ampla e de mostrar aos acionistas que está pensando em seus interesses em um momento de considerável atividade corporativa no cenário de supermercados de grande capitalização.”

A ideia de que o Carrefour possa querer sair da Polônia não é nova, mas “o problema com a Polônia é que não há compradores reais”, escreveu Fabienne Caron, analista da Kepler Cheuvreux, em relatório aos clientes. O Carrefour gera cerca de 1,8 bilhão de euros (US$ 2,15 bilhões) em vendas na Polônia, com baixas margens de lucro, disse Caron.

O diretor-presidente do Carrefour, Alexandre Bompard, que assumiu o comando em 2017, teve que desistir do plano de fusão com a Couche-Tard devido à oposição do governo francês sobre o acordo.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos