Mercado abrirá em 3 h 21 min
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,29
    +0,20 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.686,90
    -11,60 (-0,68%)
     
  • BTC-USD

    49.636,18
    -924,18 (-1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,25
    +59,08 (+6,26%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.619,79
    -10,73 (-0,16%)
     
  • HANG SENG

    28.540,83
    -557,46 (-1,92%)
     
  • NIKKEI

    28.743,25
    -121,07 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    12.395,50
    -268,25 (-2,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7748
    -0,0032 (-0,05%)
     

Em programa de campanha, Bolsonaro dizia que Petrobras deveria seguir flutuação internacional de preços

Daniel Gullino
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — Em seu programa de governo registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a política de preços da Petrobras deveria seguir os "mercados internacionais", com apenas uma "suavização" das flutuações de curto prazo. A política de preços da Petrobras virou uma incógnita após Bolsonaro decidir trocar o comando da estatal.

"Os preços praticados pela Petrobras deverão seguir os mercados internacionais, mas as flutuações de curto prazo deverão ser suavizadas com mecanismos de hedge apropriados", diz o programa.

Os mecanismos de "hedge", que são operações no mercado para oferecer proteção financeira à companhia, já eram adotados pela Petrobras para compensar defasagens ocasionais entre o preço do combustível aqui e sua paridade com a cotação internacional do petróleo e do real.

Bolsonaro tem repetido que a mudança na presidência da Petrobras — o general da reserva Joaquim Silva e Luna foi indicado para substituir o economista Roberto Castello Branco — não irá alterar a política de preços, mas ao mesmo tempo tem feito críticas a ela.

Na segunda-feira, por exemplo, o presidente reclamou da reação do mercado financeiro à troca no comando da Petrobras e afirmou que a política atual atenderia apenas aos interesses de "alguns grupos". Na mesma ocasião, Bolsonaro afirmou não "entender" os últimos reajustes nos preços dos combustíveis e que "tem coisa que tem que ser explicada".

Para o ex-secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do governo, Paulo Uebel, a intervenção de Bolsonaro significa um desrespeito ao programa de governo, batizado na época de "Caminho da Prosperidade".

— O presidente Bolsonaro foi eleito com um programa de governo chamado Caminho da Prosperidade, que foi elaborado por várias pessoas, entre elas, o ministro Paulo Guedes. O plano fala claramente que a Petrobras vai observar a movimentação internacional do preço do petróleo, porque é uma empresa que vai reagir aos inputs de mercado — disse Paulo Uebel em entrevista ao Globo.

O ex-secretário afirmou também que a saída de Castello Branco "contraria o voto que a população deu no presidente".

As ações da Petrobras registraram um tombo de mais de 20% na segunda-feira, primeiro dia de funcionamento do mercado financeiro após o anúncio da troca, na noite de sexta-feira.