Mercado abrirá em 34 mins
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,31
    +0,82 (+1,16%)
     
  • OURO

    1.772,60
    -5,60 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    42.100,20
    -1.153,80 (-2,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.046,30
    -17,54 (-1,65%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.066,63
    +85,65 (+1,23%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.068,00
    +44,00 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1664
    -0,0127 (-0,21%)
     

Em ‘modo eleição’, economia está longe de melhorar em 2022

·3 minuto de leitura
  • Para inflação, expectativa deste ano ficou em torno de 7,5% e, para 2022, entre 3,5% (centro da meta);

  • Em desaceleração, crescimento econômico para o ano que vem deve girar em torno de 1% e 2%;

  • Situação fiscal está em risco pela incerteza política criada pelas ameaças do presidente à eleição;

Na última quarta-feira (18/08), os diretores do Banco Central (BC) e 42 analistas de instituições financeiras se reuniram a portas fechadas para discutir o cenário econômico do país. No encontro, ficou clara a preocupação do mercado quanto à economia, que entrou no “modo eleição”. Iminentemente, isso significa risco para as contas públicas, em um momento de projeções piorando tanto para a inflação quanto para os juros e o Produto Interno Bruto (PIB) em 2022. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Durante o encontro, um participante resumiu: “no geral, todo mundo está batendo na tecla de que a eleição já começou. O viés mais negativo para o fiscal e o aumento da incerteza estão se refletindo no crescimento do ano que vem, sem necessariamente uma contrapartida da inflação.” Ou seja, em um cenário de inflação ainda alta, o mercado já prevê um crescimento menor da economia.

Periodicamente, o BC se reúne com analistas do mercado para colher informações para a confecção do Relatório Trimestral de Inflação. Pelo BC, participaram os diretores de Política Econômica, Fabio Kanczuk; de Política Monetária, Bruno Serra; e de Assuntos Internacionais, Fernanda Guardado. Eles não respondem a perguntas, apenas ouvem os analistas.

Leia também:

Os analistas indicaram que a projeção mais baixa para a taxa básica de juros, a Selic, no fim do ciclo de alta iniciado este ano é de 7,5%, variando a até 8,5%, segundo fontes. “Mas todos com viés de alta”, destacou um profissional. Para a inflação, a expectativa para este ano ficou em torno de 7,5% e, para 2022, entre 3,5% (centro da meta) e um pouco acima de 4%. “Há pouca gente convencida de 3,5%, e quem se manifestou nesse sentido apontou viés para cima”, contou um integrante.

Os participantes relataram preocupação com a preservação do teto de gastos, no âmbito fiscal, em meio à discussão sobre as mudanças no pagamento dos precatórios e o financiamento do Auxílio Brasil (novo nome do Bolsa Família). “O risco fiscal foi dominante na conversa. É a preocupação de todo mundo”, disse outro economista.

Em relação ao crescimento econômico, um participante mencionou que o cenário este ano está “dado”, com projeções de 5% a 6%, graças ao carrego estatístico elevado, mas que o ano que vem será mais desafiador. “Para a atividade econômica, a visão geral é de desaceleração, com crescimento entre 1% e 2% em 2022. A maioria vê cerca de 2%”, disse outro analista.

Interrogação

Braulio Borges, economista-chefe da consultoria LCA, destaca, porém, que o crescimento mais próximo de 2% está em risco tanto pela situação fiscal como pela incerteza política criada pelas ameaças do presidente Jair Bolsonaro à eleição de 2022. “Isso inibe as decisões de investimento e de consumo. Aí a economia entra num círculo vicioso: ela cresce menos, o governo arrecada menos e a situação fiscal piora.”

Embora não tenha participado do encontro, Borges acrescenta que o debate em torno dos precatórios acentuou a preocupação dos analistas em relação ao fiscal, deteriorando o preço dos ativos. “A percepção de que há um risco de se estourar o teto de gastos aumentou. Isso se reflete no câmbio.” Ontem, o dólar fechou a R$ 5,3759, maior patamar desde maio, com alta de 2%. Já a Bolsa caiu 1% e atingiu o menor patamar desde 1º de abril, ao encerrar a 116,6 mil pontos.

As medidas que vêm sendo sugeridas pelo governo ainda indicam que Bolsonaro deverá encerrar o mandado com o País em uma situação pior do que a de 2018. “É uma piora institucional do ponto de vista fiscal. Se está perdendo a credibilidade fiscal. Hoje o debate é o precatório, amanhã é o Bolsa Família e assim vai”, segundo a economista Zeina Latif.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos