Mercado abrirá em 5 h 2 min

Com menos de um ano, Cemig faz troca no comando da empresa

Raquel Brandão

Reynaldo Passanezi Filho assume como diretor-presidente, substituindo Cledorvino Belini, que assumiu a companhia em fevereiro de 2019 A Cemig, companhia de energia de Minas Gerais, informou nesta segunda-feira a nomeação de Reynaldo Passanezi Filho como diretor-presidente, substituindo Cledorvino Belini, que permanecerá como integrante do conselho de administração da estatal mineira. Ele havia assumido o comando da companhia em fevereiro de 2019

Cledorvino Belini estava na Cemig desde fevereiro de 2019

Ana Paula Paiva/Valor

Passanezi Filho deixou a presidência da transmissora ISA Cteep em setembro de 2019. Ele é doutor em economia pela Universidade de São Paulo e tem especialização em Gestão, Liderança e Inovação pela Universidade de Stanford, nos Estados Unidos.

Além do setor elétrico, Passanezi Filho tem passagem pelo setor financeiro, tendo sido diretor do BBVA Brasil, e pelo setor público, notadamente em programas de privatização. Ele foi assessor do Conselho Diretor do Programa Estadual de Desestatização do Governo do Estado de São Paulo.

“Possui, ainda, ampla experiência em reestruturações empresariais, fusões e aquisições, com conhecimento profundo de América Latina e de infraestrutura”, diz a empresa sobre o executivo em seu comunicado ao mercado.

Belini era peça importante em MG

Ex-diretor da Fiat no Brasil e na América Latina por 12 anos, de 2004 a 2015, Belini era visto como peça importante da estratégia do governo de Minas Gerais, administrado por Romeu Zema (Novo), de tentar levar para a concessionária de energia elétrica soluções da iniciativa privada.

Em outubro, o então presidente da Cemig renunciou ao conselho de administração da Light para “se dedicar integralmente” à operação da estatal mineira. Antes de assumir a Cemig, Belini teria recusado um convite para assumir a presidência da Codemig (Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais).

Em outro comunicado, a Cemig agradeceu Belini por sua atuação e afirmou que o mandato do executivo se caracterizou “pela revisão do planejamento estratégico do grupo e efetividade na implementação de diversos programas visando acelerar a otimização da alocação de capital e a recuperação econômico-financeira, com ênfase em ganho de eficiência operacional e melhoria no atendimento aos clientes”.

A Cemig informou também que Belini permanecerá como integrante do conselho de administração da estatal mineira, o que representa um “importante ativo” para a empresa.

Com a permanência de Belini no conselho, resta apenas uma vaga em aberto no colegiado. O posto está vago desde novembro do ano passado, quando Renata Cavalcanti, indicada pelos acionistas minoritários, pediu renúncia ao cargo.