Mercado abrirá em 2 h 24 min
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,66
    -1,84 (-2,03%)
     
  • OURO

    1.763,20
    -8,00 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    21.736,62
    -1.772,28 (-7,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    517,39
    -40,35 (-7,23%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.547,26
    +5,41 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.401,50
    -121,75 (-0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2209
    +0,0071 (+0,14%)
     

Em meio a novos casos de Ômicron, Bolsonaro diz que Brasil 'não suporta mais um lockdown'

·1 min de leitura

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que o Brasil não suportará "novos lockdowns". A declaração, realizada durante solenidade no Palácio do Planalto, ocorre em meio à confirmação de novos casos da variante Ômicron, que vem preocupando governos estrangeiros.

Nesta quinta-feira, o Ministério da Saúde anunciou que o país tem cinco casos confirmados da variante e outras oito ocorrências em investigação. No Palácio, Bolsonaro fez um apelo para que as autoridades tratem o tema como uma questão de saúde pública e não política.

— Um apelo que eu faço a todas as autoridades. Vamos tratar a questão do vírus como uma questão de saúde pública, de responsabilidade, e não política. Nós não suportaremos mais um lockdown — disse.

Apesar da declaração do presidente, o Brasil nunca passou por um lockdown em esfera nacional. Na maioria dos casos, governadores e prefeitos adotaram medidas restritivas como fechamento de comércios ou proibição de eventos públicos.

Bolsonaro também voltou a criticar a proposta de passaporte vacinal adotada por algumas prefeituras, como a do Rio. O presidente repetiu que o governo comprou vacinas para toda a população, mas que todo cidadão deve ter liberdade para se imunizar ou não. Bolsonaro já declarou que não tomou a vacina e, nesta quinta-feira, repetiu que elas ainda são "experimentais", o que não é correto: as vacinas foram testadas e sua eficácia e segurança foram atestadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

— Entendo que aquelas autoridades que estão exigindo passaporte vacinal, calcado numa lei de fevereiro do ano passado, onde não existia ainda vacina, estão extrapolando — disse Bolsonaro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos