Mercado abrirá em 7 h 53 min
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,44
    -0,69 (-1,30%)
     
  • OURO

    1.861,60
    -4,30 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    31.005,07
    +437,36 (+1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    613,92
    -65,99 (-9,71%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.429,66
    -498,10 (-1,66%)
     
  • NIKKEI

    28.635,67
    -121,19 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    13.351,25
    -44,25 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5142
    +0,0058 (+0,09%)
     

Em meio à segunda onda de covid em Manaus, Ministério da Saúde pressiona pelo uso de cloroquina nos pacientes

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
The Governer of Amazonas state, Wilson LimA (L), talks with Brazil's Health Minister Eduardo Pazuello (R) during a conference about COVID-19 strategies in Manaus, the capital of Amazonas state on January 11, 2021. - In the Amazon rainforest city of Manaus, the health system is again being pushed to the brink, echoing haunting scenes last April of mass graves and corpses piled in refrigerator trucks. (Photo by MICHAEL DANTAS / AFP) (Photo by MICHAEL DANTAS/AFP via Getty Images)
Governador do Amazonas, Wilson Lima, e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello durante conferência em Manaus sobre a pandemia do coronavírus (Photo by MICHAEL DANTAS/AFP via Getty Images)

O Ministério da Saúde tem pressionado a Prefeitura de Manaus a distribuir remédios sem eficácia comprovada para tratar seus pacientes, como cloroquina e ivermectina.

A pasta chefiada pelo general Eduardo Pazuello considera “inadmissível” não utilizá-las, conforme documento enviado para a secretaria municipal de Saúde de Manaus. O ministério pediu também autorização para fazer uma ronda nas Unidades Básicas de Saúde para encorajar o uso das medicações.

Leia também

Segundo dados do governo do Amazonas, Manaus e o estado têm batido recorde de internações e mortes e têm sofrido com a falta de leitos e de equipamentos.

Os registros de contaminação pela covid-19 no Amazonas indicam uma nova onda da pandemia. O número de novas internações pela doença no início deste ano ultrapassou o total de novas hospitalizações em maio do ano passado, quando o estado enfrentou a primeira onda do coronavírus.

Em ofício encaminhado à Prefeitura de Manaus na sexta-feira (7), o Ministério da Saúde pede autorização para visitar as Unidades Básicas de Saúde destinadas ao tratamento do coronavírus na segunda-feira (11) “para que seja difundido e adotado o tratamento precoce como forma de diminuir o número de internamentos e óbitos decorrentes da doença”.

“Aproveitamos a oportunidade para ressaltar a comprovação científica sobre o papel das medicações antivirais orientadas pelo Ministério da Saúde, tornando, dessa forma, inadmissível, diante da gravidade da situação de saúde em Manaus a não adoção da referida orientação”, defende o ministério no documento.

A nota informativa 17/2020 do Ministério da Saúde, com orientações para manuseio medicamentoso precoce de pacientes com diagnóstico da covid, sugere um combinado de cloroquina ou hidroxicloroquina com azitromicina para pacientes com sintomas leves, moderados e graves.

O ofício é assinado por Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação da Saúde do Ministério da Saúde.

No entanto, as medicações recomendadas pelo governo federal, como cloroquina e ivermectina, não têm eficácia comprovada no tratamento do coronavírus.