Mercado fechará em 24 mins
  • BOVESPA

    112.218,09
    +328,21 (+0,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.464,08
    +321,08 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,97
    +0,88 (+0,77%)
     
  • OURO

    1.858,30
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    28.516,01
    -949,93 (-3,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    617,81
    -11,69 (-1,86%)
     
  • S&P500

    4.145,23
    +87,39 (+2,15%)
     
  • DOW JONES

    33.124,86
    +487,67 (+1,49%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.658,00
    +378,75 (+3,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0816
    -0,0364 (-0,71%)
     

Em meio à queda das criptomoedas, Nubank investe em Bitcoin

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meio ao derretimento no preço das criptomoedas nos mercados internacionais, a fintech Nubank anunciou nesta quarta-feira (11) que decidiu investir em Bitcoins.

A empresa digital de serviços financeiros informou que alocou cerca de 1% do capital da controladora Nu Holdings em Bitcoin.

"Esse movimento reforça a convicção da empresa no potencial atual e futuro do Bitcoin na disrupção dos serviços financeiros na região", diz o Nubank, em comunicado.

Em um ambiente macroeconômico global de pressão inflacionária e de alta dos juros nos mercados desenvolvidos, o Bitcoin tem experimentado uma forte correção nos preços, com queda de cerca de 40% no acumulado do ano.

Junto com o anúncio do aporte, o Nubank informou também que passou a oferecer o serviço de compra e venda das criptomoedas Bitcoin e Ethereum aos seus clientes. A escolha pelas duas se deveu ao fato de ambas estarem entre as mais populares criptomoedas no mercado internacional, de acordo com a fintech.

Segundo o Nubank, os interessados poderão negociar os criptoativos a partir de R$ 1 por meio da plataforma de negociações da fintech.

A oferta é operacionalizada em parceria com a Paxos, provedora de infraestrutura de blockchain, que atua como corretora e realiza a custódia das criptomoedas no app do Nubank.

A novidade começou a ser disponibilizada nesta quarta de forma gradual aos clientes da empresa no Brasil, e a previsão é que a oferta esteja disponível para toda a base até junho.

"Não existem dúvidas que as criptomoedas são uma tendência crescente na América Latina. Temos acompanhado o mercado de perto e acreditamos que existe um potencial transformacional na região", afirmou David Velez, CEO e fundador do Nubank, em nota.

O Bitcoin marcou queda de cerca de 3% nesta quarta, segundo dados da Bloomberg, negociado em torno dos US$ 30 mil. Foi a sétima sessão seguida de desvalorização do criptoativo.

Ações do Nubank despencam 16% nos EUA Nesta quarta, as ações do Nubank voltaram a despencar na Nyse (Bolsa de Nova York), nos Estados Unidos, com queda de 15,75%, para US$ 3,69, renovando novamente as mínimas históricas desde a abertura de capital (IPO, na sigla em inglês).

"Aparentemente, o mercado não gostou do anúncio desta quarta", diz Danielle Lopes, sócia e analista da Nord Research, acrescentando que os investidores podem ter visto na iniciativa certo "desespero" por parte do Nubank na tentativa de rentabilizar a base de clientes.

Desde a abertura de capital, quando teve as ações precificadas a US$ 9, os papéis do Nubank recuam cerca de 60%.

Além de um ambiente de juros mais altos, que aumenta a taxa de desconto com a qual os analistas projetam os ganhos de empresas digitais de tecnologia no longo prazo, o Nubank também enfrenta dificuldades próprias, com questionamentos crescentes entre os investidores sobre a capacidade da fintech de rentabilizar sua base de mais de 50 milhões de clientes, nota Danielle.

"O mercado parece não enxergar mais os próximos passos do Nubank como algo sólido e que vão trazer resultados daqui para frente", diz a sócia da Nord.

O pacote de remuneração à diretoria da fintech superior a R$ 800 milhões noticiado nos últimos dias contribuiu para colocar uma pressão adicional sobre os números do Nubank, que reporta os dados sobre o primeiro trimestre de 2022 na próxima segunda-feira (16).

O Itaú BBA projeta um prejuízo de R$ 371 milhões para o Nubank no primeiro trimestre do ano. "Resultados fracos e novos fluxos de saída podem causar distorções nos preços das ações nos próximos dias", disseram os analistas do Itaú BBA em relatório publicado no dia 4 de maio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos