Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.928,73
    +32,14 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Em live, prefeito recebe críticas sobre a presença dos 'Guardiões' nos hospitais do Rio

Diego Amorim
·3 minutos de leitura
O prefeito do Rio sera investigado pelo MPRJ após a denúncia do esquema dos 'Guardiões do Crivella'
O prefeito do Rio sera investigado pelo MPRJ após a denúncia do esquema dos 'Guardiões do Crivella'

Cerca de uma hora depois da reportagem que mostrou o trabalho dos “Guardiões do Crivella” ir ao ar, o prefeito do Rio participou de uma live no Facebook, na noite desta segunda-feira. Durante cerca de uma hora e meia, Crivella falou sobre vários assuntos, como medidas de combate e precaução à Covid-19 e apoio ao presidente Jair Bolsonaro. Apesar de não citar, hora nenhuma, a denúncia apresentada pelo “RJ2”, da TV Globo, o prefeito foi atacado por alguns internautas, que deixaram mais de 6 mil comentários comentando sobre o esquema com contratados da prefeitura.

Entre as opiniões postadas no vídeo da rede social, está o da psicóloga e apresentadora Eliana Ovalle, que comanda o programa de rádio “Elas por Elas” ao lado da primeira-dama da cidade do Rio, Sylvia Jane Crivella, na Rádio Record RJ. Eliana publicou comentários apoiando o prefeito, a quem chamou de “prefeito da pandemia” e o cumprimentou com um “boa noite”, escrevendo a hashtag #CrivellaeBolsonaro. “Prefeito Crivella, integridade em pessoa”, postou.

Citação na web:

Apesar do apoio de alguns seguidores, a maioria dos comentários critica a gestão de Crivella. “Espero que o seu histórico seja apurado pelas autoridades competentes e que o senhor pague por todo mal ao Rio de Janeiro”, postou um internauta. “O que me deixa mais chateado é que são pessoas que usam o nome de cristão e estão envergonhado a história do evangelho. Não tem nada que fica oculto, a verdade sempre aparece, Crivella”, completou outro usuário.

Profissionais da saúde também marcaram presença e questionaram o dinheiro gasto para pagar os salários dos “guardiões”. “Pessoas que trabalham nos hospitais da prefeitura não recebem salário e outros recebem para ficar na porta dos hospitais?”, questinou um internauta. Outro, pediu para trocar de emprego, ironicamente: “Prefeito, me paga R$ 3 mil para eu ficar na porta do (Hospital) Salgado Filho. Melhor do que trabalhar na Rio Saúde e não receber”. Houve ainda quem questionasse os altos salários pagos para os funcionários públicos que atuam no esquema: “Esses bandidos de porta de hospital estão ganhando mais que um técnico de enfermagem”, desabafou.

Quem é quem:

O encontro virtual, que até a manhã desta terça-feira soma mais de 26 mil visualizações e 300 compartilhamentos, contou ainda com a participação dos vereadores Junior da Lucinha (PL) e Leandro Lyra (Republicanos). Crivella terminou a transmissão por volta das 21h30 agradecendo a Deus: “Vamos juntos com Jesus vencendo tudo.”

Crivella volta a defender retorno presencial das aulas

Em um determinado momento da transmissão ao vivo, Marcelo Crivella voltou a defender a volta presencial dos alunos às salas de aula no Rio e chegou a usar os Estados Unidos como exemplo. De acordo com o prefeito, o fato de não haver uma grande quantidade de mortes decorrentes do coronavírus em estabelecimentos considerados essenciais, como farmácias e supermercados, por exemplo, também seria justificativa para o retorno dos estudantes às escolas.

'Capitão':

— Ainda que tenha o ensino remoto, essas crianças precisam ter a convivência escolar, sair de casa. Seus pais já voltaram a trabahar, não têm com quem deixar meninos e meninas. Nos Estados Unidos, eles voltaram mesmo tendo casos muitos maiores aqui. A pandemia foi muito mais fatal lá que a nossa. Na questão das farmácias, dos supermercados e dos petshops: nós nunca fechamos essas atividades, em nenhum momento. Houve mortes em massa? Não. Porque adotamos as regras de ouro, que também estarão nas escolas. Lamentei profundamente que as crianças fiquem fora das escolas. Muitas vão às praias e aos clubes, poderiam estar mais protegidas nas escolas.