Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.705,06
    +2.778,39 (+5,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Em evento liderado por Doria, ex-presidentes defendem vacinação contra Covid-19

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - Os ex-presidentes da República José Sarney, Michel Temer e Fernando Henrique Cardoso defenderam a vacinação contra Covid-19, em evento liderado pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB) nesta segunda-feira, dia em que a capital completa 467 anos.

Durante a solenidade, Doria disse que o gesto "não seria, como não é, um ato político ou de confronto". Afirmou que, ao contrário, é um ato de "união, solidariedade, que a vida de brasileiros está acima de qualquer sentimento", destacando que o Brasil já perdeu mais de 217 mil pessoas para o vírus.

"É uma tragédia na história do país", disse o tucano.

Doria é um potencial adversário do presidente Jair Bolsonaro na sucessão presidencial de 2022 e tem travado com ele duros embates sobre a atuação do governo no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Bolsonaro não tem sido um forte defensor da vacinação, dizendo que, embora ela vá ser ofertada à toda população, não será obrigatória.

Primeiro a falar, de forma virtual, José Sarney destacou que a vacinação é a "esperança para vencer essa tragédia". Disse ainda que é a hora de dizer à população brasileira que colabore com os esforços das autoridades sanitárias.

O ex-presidente Michel Temer, que falou remotamente em seguida, afirmou que tomará a vacina "com muita tranquilidade" assim que chegar o seu momento.

"A vida não volta, mas a economia se recupera", declarou.

"Vacinem-se todos, esta é a melhor comemoração que podemos fazer no dia da fundação de São Paulo", exaltou.

Único presente ao evento, usando máscara, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que nunca se passou por nada parecido com a situação atual e destacou que o vírus não perdoa "idade, classe social, nada, ele mata".

"A defesa que nós temos é a vacina", afirmou. Questionado por um repórter sobre a atuação do governo federal, FHC mandou um recado indireto: "Governos são sempre transitórios, não estou aqui para criticar governos, mas nós temos instituições sólidas", disse.

Os ex-presidentes Fernando Collor e os petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff foram convidados, mas declinaram de participar do encontro.

Apesar da ressalva de não se tratar de ato político, João Doria posou, em dois momentos, fazendo um V de vitória com os ex-presidentes e demais autoridades presentes.

CHINA

Designado por Doria para lidar com tratativas na China, Temer disse que conversou com o embaixador do país asiático no Brasil pela manhã e acrescentou ter sido informado que os insumos para fabricação de vacinas no país já estão sendo acondicionados.

Segundo Temer, há uma "pequena questão técnica" e depois os insumos seguirão para o Instituto Butantan e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

João Doria disse que terá uma reunião com representantes da diplomacia chinesa na terça-feira e a intenção é fazer novo anúncio de lotes da vacina. O Butantan já adquiriu 106 milhões de doses da CoronaVac.

(Reportagem de Ricardo Brito)