Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.278,70
    -426,20 (-1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Em evento, Fux indica voto a favor da autonomia do BC em julgamento do STF

·2 minuto de leitura
Presidente do STF, Luiz Fux

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, indicou nesta quinta-feira que deverá votar a favor da lei que concedeu autonomia ao Banco Central, cujo julgamento de uma ação em que partidos de oposição questionam a iniciativa deverá ser retomado nesta tarde.

Em evento da XP Investimentos, Fux disse que o BC independente representa um grande avanço para a política econômica e monetária do país, destacou que a instituição é de Estado e não de governo e ainda disse que o vício de iniciativa do projeto não tem relevância.

O PT e o PSOL questionaram no Supremo o fato de a lei que concede autonomia ao BC ter sido originariamente fruto de uma proposta do Congresso e não de iniciativa do Executivo --que só posteriormente remeteu um projeto nesse sentido ao Parlamento. A Procuradoria-Geral da República deu parecer a favor da ação dos partidos de oposição.

"O que se verifica é que se ataca nesse caso o vício de iniciativa que é um defeito, no caso concreto, de somenos importância", disse Fux.

"Mais importante é saber se é autônomo ou não do que se começou do Poder certo (a apresentação do projeto)", emendou ele, reforçando que durante a tramitação da proposta os dois textos --do Congresso e do governo-- foram unidos.

Para Fux, é preciso esquecer em dados momentos as formalidades para atingir a questão de fundo.

"Um Banco Central que trata da política monetária e financeira, ele tem que ter uma visão transnacional e atuar com total independência. Isso é um reclamo muito justo do mercado e, no meu modo de ver, tem de ser atendido", disse ele.

No momento, o julgamento está empatado. O relator da ação, ministro Ricardo Lewandowski, se posicionou a favor de barrar a autonomia do BC e o ministro Luís Roberto Barroso contra.

O julgamento será retomado a partir do voto do ministro Nunes Marques. Faltam ao todo oito ministros para votar.

A tendência é que o plenário do Supremo chancele a autonomia do BC, no momento em que o país passa por um estresse inflacionário.

A definição da taxa básica de juros da economia é um dos principais instrumentos do BC para combater a inflação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos