Mercado abrirá em 1 h 56 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,56
    +0,74 (+1,16%)
     
  • OURO

    1.835,30
    +11,30 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    50.631,58
    +1.879,42 (+3,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.403,64
    +15,74 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    7.007,63
    +44,30 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.231,75
    +131,50 (+1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4287
    +0,0162 (+0,25%)
     

Em dia de tuitaço contra ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles e Anitta discutem na rede social

Filipe Vidon
·1 minuto de leitura

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e a cantora Anitta protagonizaram uma discussão nas redes sociais na tarde desta terça-feira. O motivo foi a participação da artista no tuitaço — publicação massiva de tuítes por uma causa — marcado para hoje contra a permanência dele no cargo. Divulgada por organizações ligadas à agenda ambiental, a iniciativa mobiliza internautas em torno da hashtag '#ForaSalles'.

Anitta aderiu ao movimento, postou a foto utilizada na campanha contra Salles e afirmou que ele é “um desserviço para o meio ambiente”. O ministro repostou o tuíte da cantora e ironizou: “Fica na sua ai, ô Teletubbie”. A ofensa foi uma referência ao programa infantil criado em 1997.

A cantora decidiu responder a provocação, questionou a maturidade de Salles e defendeu que ele deveria sair do ministério de qualquer jeito. Ricardo Salles rebateu Anitta e desafiou a cantora a citar capitais do Brasil ou o nome dos seis biomas brasileiros.

O movimento virtual pedindo que o ministro deixe o cargo é mais um capítulo do desgaste sofrido por ele desde a semana passada, quando ele passou a ser investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) após uma notícia-crime da Polícia Federal (PF) do Amazonas indicando que ele poderia ter agido para atrapalhar uma investigação sobre madeireiras ilegais no estado.

Em entrevista ao GLOBO nesta quarta-feira, o delegado da Polícia Federal Alexandre Saraiva, responsável pelas denúncias que levaram a sua substituição do cargo de superintendente da PF no Amazonas, afirmou que denunciou Salles por entender que ele estaria atuando a favor de madeireiros e diz que nunca havia presenciado algo assim durante seus quase 18 anos na Polícia Federal.