Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.631,11
    +1.417,84 (+2,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Em debate contra congelamento de preço de remédio, indústria farmacêutica faz comparação com arma

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em campanha contra o projeto de lei do senador Lasier Martins (Podemos-RS) que tenta suspender o reajuste anual dos remédios, o representante da indústria Nelson Mussolini, presidente do Sindusfarma, diversificou a argumentação. Além de repetir que o setor vem sofrendo com a alta do dólar, dos preços dos insumos e dos gastos com logística, agora ele resolveu fazer uma analogia com o setor armamentista. Enquanto a indústria bélica vem recebendo incentivo e tira vidas, a farmacêutica salva vidas, afirma Mussolini, chamando a produção dos remédios de arsenal terapêutico e os enfermeiros e médicos de guerreiros da pandemia. Em sessão no Senado sobre o assunto nesta semana, Lasier Martins disse que o reajuste de medicamentos em 2021 vem fora de hora e que o setor farmacêutico precisa retribuir a sociedade pelos resultados que obteve na pandemia.