Mercado abrirá em 9 h 45 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,96
    -0,17 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.779,30
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    56.831,66
    -3.119,25 (-5,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.291,02
    -100,69 (-7,23%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.245,70
    +275,99 (+0,95%)
     
  • NIKKEI

    29.748,10
    +64,73 (+0,22%)
     
  • NASDAQ

    14.034,25
    +4,75 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6703
    -0,0158 (-0,24%)
     

Em cooperação internacional inédita, embarcação carregada com cocaína é apreendida em alto mar

Filipe Vidon
·1 minuto de leitura

RIO — A Marinha do Brasil e a Polícia Federal apreenderam, neste domingo, uma embarcação carregada de cocaína na costa do Recife, Pernambuco. Ainda em águas brasileiras, o barco foi interceptado pelo Navio-Patrulha Oceânico Araguari a uma distância de 270 quilômetros do litoral brasileiro. Cinco brasileiros que faziam o transporte da droga foram presos e conduzidos para a Superintendência da PF em Pernambuco.

A operação bem sucedida foi resultado de uma cooperação entre Brasil, Portugal, Estados Unidos e Reino Unido. Após um amplo período de coordenação entre o Centro de Análise e Operações Marítimas - Narcótico (MAOC-N), sediado em Lisboa, a Drug Enforcement Administration, agência norte-americana para controle de drogas, e a National Crime Agency, órgão do país britânico, as equipes identificaram que o veleiro catamarã carregada grande quantidade de entorpecentes, que não foi informada pela corporação.

As suspeitas são de que o veleiro tenha partido do Brasil para levar as drogas até a Europa, onde seria redistribuída. Após a abordagem e prisões, a embarcação começou a ser escoltada pelo navio da Marinha até Recife, com apoio de agentes do Grupo de Pronta Intervenção (GPI) da PF.

Segundo o Ministério da Defesa, a ação reforça a interação entre órgãos internacionais que visam impedir o uso de embarcações para o narcotráfico. O objetivo de operações como essa, em longo prazo, é a identificação de grandes organizações criminosas e manter o monitoramento das águas de jurisdição brasileira com ajuda do Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul.