Mercado abrirá em 1 h 24 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,69
    +0,68 (+0,94%)
     
  • OURO

    1.795,90
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    16.824,75
    +7,72 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,18
    -6,86 (-1,71%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.487,33
    -1,86 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.537,75
    +28,25 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Em comentários iniciais, Jefferson, do Fed, chama a inflação de problema mais preocupante

Barraca de frutas e vegetais em Manhattan, Nova York

Por Howard Schneider

ATLANTA (Reuters) - A inflação é o problema mais sério enfrentado pelo banco central dos Estados Unidos e "pode ​​levar algum tempo" para ser resolvido, disse o diretor do Federal Reserve Philip Jefferson nesta terça-feira, em seu pronunciamento de estreia no Fed.

"Restaurar a estabilidade de preços pode levar algum tempo e provavelmente implicará um período de crescimento abaixo da tendência", afirmou Jefferson, que se junta a um consenso atual do banco central para aumentos contínuos da taxa básica de juros.

"Quero assegurar a vocês que meus colegas e eu estamos decididos a trazer a inflação de volta para 2%... Estamos comprometidos em tomar as medidas adicionais necessárias."

Jefferson, que é economistas, foi nomeado para a diretoria do Fed pelo presidente Joe Binde e confirmado pelo Senado em maio.

Em comentários preparados para uma conferência do Fed de Atlanta, Jefferson disse que há razões para pensar que as condições apertadas no mercado de trabalho podem se afrouxar--de fato, novos dados nesta terça-feira mostraram uma queda acentuada na abertura de vagas de emprego em agosto, o que começou a deixar o número de trabalhadores procurados pelas empresas mais em linha com o número de desempregados.

Isso poderia ajudar a diminuir o crescimento salarial, afirmou Jefferson, e também há indicações de que "os gargalos de oferta, finalmente, começaram a ser resolvidos", o que também poderia ajudar a aliviar o ritmo das altas de preços.

Mas como isso vai acontecer permanece incerto e, enquanto isso, "a inflação continua elevada, e esse é o problema que mais me preocupa", disse Jefferson. "A inflação cria encargos econômicos para famílias e empresas, e todos sentem seus efeitos."

(Reportagem de Howard Schneider)